FINALMENTEE VIM TRAZER O LINK DO MEU NOVO BLOG PARA VCS!!!!!!!


http://mary-amor-proibido.blogspot.com/


TENHAM PACIENCIA!!!!! TO SEM TEMPO PA ELABORAR CAPITULOS VOU POSTANDO CONFORME MEU TEMPO DEIXAR!!!

Gente eu queria dizer que não irei postar minha nova história tão já. pois ainda não tem prontos muitos capítulos! e tambem eu ja disse que esse meu novo estagio me tomou todo o tempo né? não sei como consegui postar o final dessa... fiz milagre shaushua... me perdoem! quando euu fizer o blog e começar a postar eu venho aqui postar o link!!!!! então fiquem atentos!!!


vou dar um tempo nisso pois não estouu com tempo livre para ficar inventandoo histórias! :( me desculpem! só garanto que eu vou voltar a postar!!!! Fics é a coisa q eu mais gosto de fazer e não vou parar!

(Vanessa)

Havia saído da empresa, mais não fui para casa, fiquei andando pelo Parque St Jame’s que se localizava ali perto, um lugar bem tranqüilo e muito bonito, eu ia andando pelos caminhos do parque e observando tudo, pássaros a voar e cantar, pessoas passeando, outras lendo um livro, amigos se divertindo, crianças brincando e (...) casais apaixonados. Por mais que eu tentasse esquecê-lo, por mais que eu dissesse para Deus e o mundo que ele não era o motivo daquela minha tristeza eu sabia que era sim. Foi tudo muito rápido mais tempo suficiente para que eu me apaixonasse, sentei-me em um dos bancos do parque, tentei esquecer de tudo lendo um livro que eu carregava na mão.

(Narradora)

Vanessa sentada de um lado do banco e Zac do outro, nenhum dos dois percebiam a presença do outro ali. Zac estava no mundo da lua, olhando para o nada como se não estivesse no planeta Terra, Vanessa estava entretida com seu livro, com tantas coisas em sua mente o livro era o único objeto/amigo que a fazia esquecer, de tudo como se ela entrasse num maravilhoso mundo mágico totalmente diferente da vida real, onde toda princesa tem um príncipe, nem que seja um sapo.

Um vento frio e forte passou pelo o ambiente onde os dois estavam Vanessa sentiu frio e passou as mãos nos braços fazendo certo barulho que chamou a atenção de Zac. Vanessa então olhou para ele mais logo desviou o olhar, tentando não reparar muito. Zac tirou o livro da mão dela e o pois ao lado do banco.
─ Vanessa? ─ ele murmurou.
─ o que você faz aqui? ─ ela disse chacoalhando a cabeça espantada com aquilo.
─ não podemos fugir do que está escrito nas estrelas. ─ ela olhou para ele sem entender a indireta.
─ como?
─ Olhando para você, eu percebi que o amor existe sim. ─ ela se calou e olhou para o chão. ─ eu não podia deixar você aqui sozinha. ─ ela olhou para ele com uma expressão muito franca.
─ e o que te faz pensar que eu estou a fim de dar uma chance para nós?
─ não é chance, e um sentimento muito forte que está dentro de mim e que eu não consigo controlar, não disse isso antes porque tive medo.
─ medo?
─ você acha que a dona da empresa mais famosa do mundo iria se relacionar com um mero empregado? ─ ele não deu tempo para ela responder ─ eu não tinha a menor chance, mais depois daquele telefonema que você me fez, tudo mudou, minha vida se desmoronou quando eu vi aquele avião decolar mais agora, vejo que a vida prepara muitas surpresas para nós... Eu já estava desanimado e de repente te encontro (...) ─ ele se calou um minuto ─ poxa, Londres é gigante, eu estava te procurando mais confesso que estava desistindo, é uma chance em um milhão achar alguém como você, eu não sei o que você pensa, não sei o que você quer só sei que te amo e não vou desistir, jamais, disso.
Vanessa abaixou a cabeça apoiando os ombros nas pernas. ─ tive medo ─ escorreu uma lagrima pela face dela ─ não tive coragem, e me arrependo disso... Desculpa-me? Eu não devia ter fugido, podia dizer que era saudade da família mais... Era muito mais que isso. Sinceramente não sei.
Os dois evitavam se olhar, depois de um longo silencio Vanessa continuou.
─ Sabe, eu sou muito sentimental, eu acredito naquela historia de “Viveram felizes para sempre” mais será que é assim mesmo? O mundo vai muito mais alem dos contos de fadas, eu construí um castelo de sonhos que se desmoronou faz tempo, não existe mágica, nem príncipe encantado mais eu acreditava mesmo que um lindo dia o meu príncipe iria me buscar numa carruagem branca, mais tudo é mentira eu percebi isso... Agora? (...) não sei mais o que dizer, não, sei, o que pensar, talvez exista sim o meu príncipe, não chegou numa carruagem mais...
Ele a interrompeu continuando ─ chegou de apé, cansado, pobre e suado. ─ ele sorriu.
─ não me importa, porque sem você não há mais vida. Demorei pra perceber mais é isso que eu sinto Zac...

(Zac)

Ela apoiou a cabeça em meu ombro onde se encaixou direitinho, acariciando minha barba com seu rosto ela disse.
─ eu te amo.
Então, lentamente eu a beijei na sua testa.








(Vanessa)

Aos poucos, nós nos olhamos fundo nos olhos um do outro, e ele vinha se aproximando de minha boca, fechei os olhos sem saber como se responsabilizar sobre meus atos depois daquele momento, tudo ali era sobrenatural, sim, porque nunca passei por esse momento antes, era lindo, como se o mundo inteiro parasse no tempo e só existisse eu e ele ali. Respirei fundo, podia sentir seu coração acelerado como o meu, eu sentia arrepios, frio na barriga, uma sensação boa e esquisita ao mesmo tempo, algo incontrolável nós dois se aproximávamos cada vez mais sem pensar no resto do mundo, se um meteoro caísse na terra àquela hora, nem perceberíamos de tão hipnotizados que estávamos naturalmente nossas bocas se encostavam uma na outra, era perfeitos, lábios doces e aveludados passavam timidamente pelos meus, o medo que sentíamos sumiu de uma hora para outra, a cada segundo era mais surpreendente, um momento inexplicável, sua língua explorava minha boca intensamente, era realmente o melhor beijo que eu havia recebido na minha vida, uma sensação muito gostosa, aos poucos fomo-nos afastando, um sorrisinho tímido apareceu no rosto dele então retribuí com o mesmo gesto passando a mão entre seus fios de cabelos.
─ Agora resta dizer...
Ele continuou ─ e viveram felizes para sempre. ─ eles se olharam e soltaram uma gargalhada de tudo aquilo que estava acontecendo com eles.

*** Era uma vez, faz você pensar em uma história conhecida, é um sonho para realizar, seguir em frente Felizes para sempre! ***



THE END
!

Ok Peoples desculpem me mais um vez, num deu pa fazer o capitulo intão me desculpem por num postar :( !!!


só aviso q estamo nos ultimos! talvez o proximo seja um dos ultimos ou o ultimo!

fiquem bem e sonhem com o Zac! Amo vcs *--* ~~~<3

(Narradora)

O celular de Zac tocou uma vez mais ele nem escutou pois estava distraído procurando uma loja de roupas baratas, então tocou mais uma vez mais ele também não escutou, voltou a tocar novamente e aí sim ele escutou e atendeu.

─ alô.
─ Zac, onde você está?
─ Ashley? ─ ele perguntou sem reconhecer muito bem a voz, pois a ligação estava horrível.
─ sim, onde você está?
─ Londres ué.
─ mais em qual lugar? É que eu estou em Londres também, trouxe-lhe algumas mudas de roupas, passei em sua casa e peguei espero que não se importe.
─ Ashley, Você não existe! ─ ele ficou muito feliz com aquilo ─ agora mesmo iria gastar meus últimos centavos para comprar uma camiseta.
─ rsrs.
─ onde você está? ─ perguntou ele.
─ na casa de uma amiga? Você já viu a Vanessa?
─ Não, a menina sumiu do mapa.
─ ela estava aqui há segundos atrás.
─ que sorte a sua. ─ ele ficou calado ─ mais então, eu estou hospedado numa pequena pousada chamada “Casa da mãe Joana” ─ ela riu ─ leva as roupas pra mim lá?
─ sim, estou indo.
─ ok, então, estarei esperando lá para conversarmos.

Ashley desligou o celular.
─ então? ─ quis saber Miley.
─ ele está num lugar chamado casa da mãe Joana. Sabe onde fica?
─ acho que já ouvi falar.
─ me leva lá?
─ claro.

Miley pegou as chaves de seu carro e as duas foram para a pousada, enquanto Zac ia de pressa e de a pé, sem dinheiro para pagar um taxi ou até mesmo um ônibus era só o que lhe sobrou.

(Zac)

Depois de mais de uma hora andando cheguei lá quase morto, Ashley e mais uma moça estavam sentados no sofá da recepção me esperando, assim que me viu Ashley se levantou com sua amiga para me cumprimentar.
─ Zac, que bom que chegou vivo.
─ o avião quase caiu mais felizmente estou bem. ─ Ashley sorriu e olhou para Miley.
─ essa é Miley Cyrus! Amiga da Vanessa e minha também. ─ eu, muito simpático e risonho a cumprimentei com beijinhos na bochecha.
─ tudo bem? ─ perguntei eu.
─ sim, claro, é um prazer te conhecer.
─ o prazer é todo meu. ─ nos dois nos olhamos.
─ bom, então vamos guardar essas malas? ─ eu mexi com a cabeça e peguei as malas na mão.
─ claro! Venham comigo.

Fomos até meu quarto, as duas olhavam para todos os lados reparando em tudo, eu estava incomodado com a situação.

─ não reparem gente, é que eu trouxe pouco dinheiro, deixei todo meu dinheiro em casa afinal quando eu saí para trabalhar não sabia que iria acordar a manhã seguinte em Londres. ─ Ashley e Miley riram.
─ você é engraçado.
─ obrigada Miley.
─ oh, por favor, me chame de My. ─ eu sorri para ela.
─ Zac, ela é namorada do irmão do Joe. ─ comentou Ashley.
─ Oh, é mesmo?
─ sim é sim ─ disse Miley entrando no quarto.
─ fiquem a vontade. ─ eu larguei as malas ao chão e me sentei na cama.
─ mais então vamos conversar sério agora, e a Vanessa? Vocês a viram? Como ela está?
─ Zac, ela tenta disfarçar que está bem mais não está. ─ disse Ashley se sentando também.
─ talvez, não era a família que estava a deixando para baixo... Acho que era você. ─ falou Miley.
─ como assim? Eu a deixo para baixo.
─ não, eu que me expressei mal, mais Zac, o que eu quis dizer é que ela fugiu para não te ver mais, só que foi pior para ela. ─ apoiei a cabeça entre as duas mãos.
─ fui à TAH duas vezes já, e ela nunca está.
─ ela não está indo muito lá, não está com cabeça para trabalhar.
─ vocês podiam me passar o endereço da casa dos tios dela? ─ Miley e Ashley se olharam com um jeito de que não era uma boa idéia. Então eu continuei. ─ ah sinceramente não sei mais o que fazer, preciso dela.

O celular de Ashley tocou, Ashley olhou na telinha e viu escrito Vanessa, eu percebi também, pelo toque.
─ é ela?!
─ é. Eu vou atender... ─ balancei a cabeça meio tristonho e ela atendeu o telefone.
─ diz Vanessa.
─ amiga venha para a TAH.
─ não posso, estou num encontro com o Za... ─ logo que ela percebeu que iria falar meu nome parou.
─ com quem?
─ Scott! Isso Scott! Não vão dar amor...
─ tudo bem então... Beijo te amo, bye!
Desliguei o celular.
─ essa foi por pouco ─ disse Miley.
─ Zac, ela está na TAH agora, é melhor você correr.
─ será que adianta? ─ eu já estava ficando desanimado
─ adianta sim, você a ama ou não?
─ sim, mais e ela?
─ AMA! Pode ter certeza ─ eu e a Miley falamos juntas e depois rimos.
─ depois do que ela disse para nós, tenho certeza que ama. ─ continuou Ashley.
─ Vai Zac! Corre! ─ falou Miley.
─ mais... ─ fiquei enrolando.
─ eu sei que você sente falta da sua Baby V. ─ depois dessa frase, eu não pude mais enrolar e fui mesmo. Miley e Ashley foram embora enquanto eu seguia para a Transport aerios Hudgens. Já estava, cansado de andar aquele caminho, minhas pernas doíam muito, mais eu não desisti e continuei, até chegar lá. Quando cheguei, respirei fundo antes de entrar e então persegui até o balcão.
─ olá moça, a senhorita Hudgens está?
─ Poxa moço, novamente vocês se desencontraram, ela acabou de sair daqui... É uma pena mesmo, o destino não está dando uma forçinha para vocês dois se encontrarem.
Eu abri um sorrisinho falso no rosto e saí dali pensando. Talvez seja mesmo, ela tem razão, o destino não quer que nós nos encontremos, talvez nem fosse para que nós ficássemos juntos. Comecei a andar sem um destino correto, minhas esperanças haviam se esgotado já eu estava ali só gastando o pouco de dinheiro que tenho e perdendo meu tempo, eu tinha era que voltar urgente para Los Angeles, pois, era perigoso eu perder meu emprego e eu não vivo de esperanças, preciso de dinheiro para viver. Passei em frente a um parque muito bonito, entrei nele para conhecer, St Jame’s Park, era o nome, muito bonito o lugar, com 23 hectares o parque St Jame’s é o mais antigo parque real de Londres, com uma lagoa gigante e muito verde é um ótimo lugar para passear, ou até mesmo para ficar sozinho, como eu estava aquela hora. Sentei-me em um dos bancos do parque e fiquei ali, olhando para o nada e pensando na minha vida.

(Vanessa)

Olhei para Stella e fiz um gesto com a cabeça para que ela me acompanhasse até lá, então ela veio, cheguei perto da pessoa que estava distraída vendo alguns sapatos de bico fino.
─ Oi! ─ logo se virou pra ver quem era.
─ Vanessa!!!! ─ disse muito surpresa, vindo me dar um abraço.
─ Ownn Miley, o que você faz aqui em Londres?
─ passeando só, estou dando um tempo, vim de férias par cá, Londres é um lugar lindo. ─ disse a garota comentando sobre a cidade.
─ Pois é...
─ mais e você?
─ ah eu vou indo...
─ está melhor depois do enterro de seus pais?
─ pode se dizer, que sim, mais vai ser difícil essa dor passar...
─ te entendo. ─ Miley ficou quieta por um tempo te que percebeu a presença de Stella ali.
─ Stella! Oi, Nem te vi aí menina. ─ as duas se cumprimentaram com beijinhos no rosto.
─ oi... Como vai?
─ Muito bem obrigada.
─ mais então me conta como esta com o Nick? ─ quis saber Vanessa.
─ às vezes brigamos mais... Amamos-nos, fazer o que...
─ eu o vi um dia antes de vir para cá.
─ por falar nisso, por que veio?
─ acho que aqui não é um bom lugar para conversar não é? Vamos comer alguma coisa na lanchonete que eu explicarei tudo...
─ ok!
─ Vamos Stella?
─ Claro...
Nós três fomos para a praça de alimentação ali no shopping e nos sentamos em uma mesa perto da janela, eu comecei a contar a história a ela quando veio à moça perguntando o que queríamos, nós pedimos três Milk Shakes e alguns biscoitinhos, não estávamos com muita fome. Depois de explicar tudo para Miley, continuamos nossas compras e depois fomos embora.
Na manhã seguinte, eu fui para meu primeiro dia de trabalho na TAH de Londres, assim que cheguei lá, quando iria entrar no prédio meu celular tocou e era Ashley.
─ Alo...
─ Amiga que saudade de ti... ─ disse ela com uma voz desanimada.
─ o que ouve? ─ fiquei preocupada.
─ ah sem você aqui, tudo fica chato... ─ as duas se calaram e de repente Ashley continuou. ─ não tem nenhuma chata para reclamar da minha comida, nem dos meus gritos, nem dos meus chiliques, nem das minhas besteiras isso aqui é um tédio sem você. ─ eu rii...
─ Ownn amor mais não fica assim não. ─ a voz dela que estava desanimada de repente se alegrou de uma hora para outra.
─ Mais é por isso que estou te ligando!!
─ ué?
─ quero informar a senhorita Hudgens que vá até o aeroporto de Londres me buscar Por que estou chegando!!!!!!!!!!!!!!!
─ AAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!! SERIOOOO???? ─ fiquei muito feliz com isso e levei um susto enorme, mais pense numa louca gritando na calçada da rua? Era eu. Hsuahuahsu...
─ Estou indo! ─ Desliguei o celular correndo e voltei para o carro e disse para o motorista...
─ Para o aeroporto urgente!

(Narradora)

Assim que Vanessa saiu, Zac voltou à empresa para procurá-la mais não a encontrou novamente.

(Zac)

Já estava começando a desanimar, ela não aparece em lugar nenhum, onde será que ela se meteu? Será que aconteceu alguma coisa? Alguma coisa de ruim? Ah que saco, meu Deus coloca essa mulher no meu caminho senhor!


(Vanessa)

Cheguei ao aeroporto e Ashley já estava me esperando, ela estava com Scott, os dois estavam abraçados e com as malas ao lado. Quando me viu a menina saiu correndo para me abraçar.
─ VANESSA! ─ a abracei muito forte.
─ Flor da minha vida, que saudade.
─ muitas! ─ ela continuou me abraçando até que soltou me sorrindo.
─ Oi Vane. ─ disse Scott me abraçando também.
─ ah gente vocês não sabem como eu fico feliz por vocês estarem aqui...
─ eu também!!!!
─ ah se não sabe também quem eu encontrei no shopping hoje?!
─ quem?? ─ disse Ashley curiosa.
─ A Miley!
─ OMG! Estou com muitas saudades dela.
─ Pois é ela esta passando um tempo de férias aqui. ─ Eu chamei o motorista para carregar as malas e nós fomos para casa de meus tios que receberam Ashley e Scott muito bem, tomamos um chá com a tia Geovana, Scott ficou conversando com o tio Fernando enquanto eu levei Ashley para encontrar Miley, Stella havia ido para a escola, pois não podia faltar muito tempo.
Conversamos um pouco sobre meninos, sabe como é conversa de amigas não é? Garotos, maquiagem, shopping e mais garotos! Shuahsuahsu... bom, eu abri meu coração, disse tudo o que tava entalado na minha garganta sobre o Zac, a Miley disse do Nick e a Ash do Scottinho que nem ela diz suhausha...

(Ashley)

Fiquei com pena da minha amiga, acho que deveria falar que o Zac está aqui em Londres a procurando mais assim iria estragar toda a surpresa dele... Não é melhor não. Bom eu trouxe algumas roupas para Zac, ele esqueceu tudo em casa mais resta saber onde esse Homem se meteu... aff ¬¬

─ Ashley! ─ estava detraída e nem vi Miley me chamar.
─ oi?
─ que ouve?
─ nada não, pensando na vida. ─ respondi eu...
─Bom, Vamos Ash? ─ disse Vanessa.
─ a eu vou ficar mais um pouquinho amiga, porque aonde você vai?
─ eu tenho que dar uma passadinha na TAH. Se você quiser ficar eu digo para o motorista te esperar.
─ tudo bem então. ─ eu levantei e a abracei, despedindo dela. ─ depois nos vemos.
─ tudo bem, Tchau My!! ─ Miley sorriu e fez um simples sinal com a mão. ─ amo vocês!
─ nós também ─ dissemos as duas, Ashley e Miley.

(Vanessa)

Sai do hotel onde estava hospedada Miley e fui para a TAH, estava bem perturbada com aquilo que disse para as duas, desabafei, disse tudo o que estava entalado na garganta, mais não sei o porquê daquilo afinal: já passou, nunca mais vou vê-lo, isso é passado tenho que viver o presente e pensar no futuro.

(Ashley)

Assim que Vanessa saiu do hotel eu disse tudo para Miley, tudo mesmo, que o Zac estava em Londres a procurando, que ele a ama mesmo e que eu precisava entregar as malas dele e precisava da ajuda dela.

─ nossa, não faço idéia de como te ajudar. ─ disse Miley preocupada.
─ mais My, você não conhece nenhum lugar onde ele pode ter se hospedado? Bom, ele não tinha muito dinheiro no bolso, deve ser em algum hotelzinho simples.
─ não sei, pior que não sei, também estou aqui a passeio. ─ as duas ficaram pensativas quando My teve uma idéia.
─ já penso no celular?
─ celular? ─ fiquei surpresa, como eu não poderia pensar nisso é uma coisa tão simples que revolucionou a humanidade. Aff
─ é mesmo! Você é um Gênio My! EU TE AMO! ─ as duas se abraçaram correndo e logo Ashley ligou para Zac.

(Continua)

(Stella)

No outro dia, mais ou menos às 8 da manhã, eu fui ao quarto de Vanessa ver se ela já estava acordada mais não, ela dormia feito um anjo, e estava sorrindo devia estar sonhando com alguma coisa boa, sentei-me na cama ao lado dela e comecei a passar a mão em seu cabelo quando ela acordou assustada gritando ─ ZAC!!!!!
─ que ouve? Quem é Zac? ─ ela olhou para cima e bufou.
─ por que eu sonho com ele?
─ me explica Vanessa? ─ ela jogou o cobertor de lado e levantou da cama, com uma cara feia e não disse nada. Então eu voltei a perguntar o porquê daquilo.
─ Vanessa por que essa cara mana? ─ ela entrou no banheiro e colocou pasta de dente na escova.
─ é que... ─ ela começou a falar mais parou para escovar os dentes.
─ diga! ─ ela cuspiu na pia e disse.
─ ah ele é um cara incrível, não sei como pude ficar assim só por causa de uma noite na pizzaria... ─ enxaguou a boca e lavou seu rosto.
─ mais quem é ele?
─ segurança na TAH de Los Angeles... Eu tive medo de falar com ele sobre o que eu sentia e agora estou aqui fugida.
─ dele?
─ também, não quero me meter em roubada mais uma vez... ─ as duas olharam para o espelho, pensativas, Vanessa então pegou uma toalha e entrou no boxe do banheiro para tomar banho.
─ Bom, eu vou tomar banho aí nos já vamos. ─ disse ela pendurando suas roupas no boxe.
─ para onde?
─ para a TAH!
─ a não acredito que você quer mesmo trabalhar. ─ Vanessa abriu uma frestinha e disse séria.
─ eu quero, eu preciso, já sou grandinha para cuidar da minha vida. ─ eu fiquei assim, surpresa com as atitudes dela mais então...
─ tudo bem. ─ fiquei calada enquanto ela ligou o chuveiro ─ mais depois vamos ao shopping não é? Please...
─ rsrs estava demorando...
─ por quê?
─ por que será? Te conheço Stella! ─ as duas riram.

(Zac)

Acordei, desci para a cozinha onde se toma o café da manhã, quando eu estava tomando o café a Daiane chegou.
─ oi, posso lhe fazer companhia?
Eu terminei de tomar um gole de café com leite e disse. ─ Claro, sente-se. ─ ela sorriu e se sentou.
─ como passou a noite?
─ Bem, obrigada... ─ ela era linda, loira de olhos verdes e cabelos longos, e sempre me olhava. ─ Você não saberia me responder, onde fica a Sede da TAH? Transport Aerios Hudgens?
─ fica em Westminster, próximo ao parque St. Jame’s Park e perto do palácio de Buckingham, um lugar muito lindo, precisa conheçer. ─ ela sorriu timidamente.
─ Pois é, vou lá, para ver se acho a Vanessa...
─ ah é, ela é dona da TAH certo?
─ sim, depois que os pais dela falesceram ela está tomando conta.
─ hum... ─ a menina ficou quieta por um tempo quando dona Joana gritou.
─ DAIA, O TRABALHO A CHAMA! ─ ela olhou para mim com uma expressão desanimada.
─ então eu vou voltar ao trabalho. Boa sorte.
─ vou prescisar.

(Vanessa)

Depois de tomarmos café, eu e Stella fomos para a TAH em Londres para conheçer a empresa, todos tambem eram muito simpaticos conosco, talvez por sermos as donas de tudo aquilo, sorrisinhos falsos e forçados no rosto de alguns e em outros verdadeiro e sinceros, mais não importa, o importante é cuidar do que é nosso. A empresa não era muito diferente da sede de LA, minha sala era linda, a decoração incrivel, o predio era um pouco menor, mais mesmo assim gigante a olho nú e não tinha nenhum segurança lindo que nem o Zac, mais a recepçionista era muito simpatica como a Laryssa.
─ Pronto, Vanessa você já sabe onde é a TAH, tambem sabe como funciona as coisas aqui, mais agora vamos para o Shopping! ─ implorou a garota quase se ajoelhando ao chão, eu sorri timidamente e tentei dizer para que ela não me fizesse passar vergonha na frente de todos aqueles milionários que trabalhavam ali.
─ ta bom Stella espera aí. ─ eu susurrei para ela com um sorriso forçado no rosto, então logo me virei para a senhora Beatris, o que alí naquela sede fazia o mesmo trabalho que o senhor Furtado em Los Angeles.
─ Bom, foi muito bom conheçe-la senhora Beatris.
─ a mim tambem. ─ nos duas apertamos as mão em um gesto simples de futuras companheiras de trabalho.
─ sempre que eu puder estarei vindo aqui ver como estão as coisas e quem sabe, amanhã já estarei ocupando meu lugar aqui. ─ fiquei calada com uma duvida mais com medo de perguntar, acho que ela percebeu e..
─ alguma duvida?
─ sim, minha secretaria?
─ bom, estamos ainda fazendo os testes mais logo acharemos uma tão boa quanto a que a senhorita tinha em Los Angeles.
─ acho difíciu mais não custa tentar. Rsrs... ─ a dona Beatris sorriu forçadamente.
─ Tchau então. ─ disse Stella me puxando para dentro do elevador.
─ STELLA! ─ chamei a atenção dela e mesmo assim entramos no elevador.
─ você tem que parar com isso! Onde já se viu, uma moça se comportando desse jeito...
─ Vanessa fica quieta vai!?
─ aff ¬¬

(Narradora)

As duas sairam do elevador e foram para o carro, enquanto Zac chegava a empresa...

(Zac)

Fui a recepção e perguntei-lhe sobre Vanessa... a moça me informou que sim, ela estava na empresa, isso me deixou muito feliz, então a moça foi procurá-lá. Demorou mais ou menos meia hora para voltar e quando voltou me disse assim.
─ puxa, que pena... ela acabou de sair daqui. ─ eu abaixei a cabeça.
─ por acaso não sabe para onde ela foi não?
─ não, me desculpe...
─ tudo bem... Outro dia eu volto, você sabe quando ela começa a trabalhar aqui?
─ ela disse para nossa superior que talvez amanhã.
─ amanhã eu volto então.
─ ok, obrigada pela visita, volte sempre a TAH!

(Narradora)

Ao sair de uma loja no Shopping com mil sacolas na mão, todas de Stella e nenhuma dela, as duas discutiam sobre o assunto.
─ Você só pensa em você! Eu tambem quero comprar coisas para mim. ─ reclamou Vanessa.
─ eu não estou te impedindo!
─ mais se você ficar me dando tudo ualquer sacola eu não consigo escolher nada!
─ aaaa que saco Vanessa! ─ Stella já estava ficando estressada. Vanessa então olhou para a vitrine de uma loja de sapatos, com uma bota linda na frente, ela admirava a bota pelo vidro quando lá no fundo da loja avistou uma pessoa conheçida.
─ Oh eu não acredito nisso! *O* ─ disse ela feliz e muito surpresa com a presença da pessoa.

(Continua?)

Foi só um tremor passageiro logo tudo se acalmou e voltou ao normal, mais que nos deixou com medo, principalmente a mim, meu medo de que aquele avião caísse era muito, foi assim que os pais da Vanessa morreram e eu não queria que acontecesse a mesma coisa comigo.

(Vanessa)

Desembarquei do avião, logo depois de eu pegar minhas malas eu vagava pelo aeroporto de Londres procurando por alguém ali, não é possível que a Stella não fosse me esperar no aeroporto, eu a avisei. Agora quero ver como irei achar a casa de meus tios, nunca vim para Londres é minha primeira vez aqui, não conheço nada da cidade. Olhei para todos os lados do aeroporto procurando Stella e meus tios, Geovana e Fernando Hudgens. Até que os encontrei, eles estavam na porta do aeroporto, chegando ainda. Quando me virão, disseram.
─ Baby V! ─ Falou Stella correndo em minha direção ─ Desculpa o atraso. ─ ela pulou em cima de mim e me abraçou.
─ eu te conheço Stella, nunca chega no horário. ─ Stella riu. ─ estava morrendo de saudades maninha.
─ Own eu também, nunca pensei que sentira tanta falta de você.
─ aff... É tão ruim sentir saudade de mim é?
─ não, não é isso amor!
─ ah deixa para lá. ─ eu olhei para os lados ─ cadê os tios? Estavam atrás de você, agora sumiram.
─ ah eles devem ter parado em algum lugar. ─ Stella pegou o carrinho das malas de Vanessa ─ Vem vamos procurá-los.
Olhei para ela ─ ok.
Começamos a procurar eles, enquanto isso íamos conversando.
─ como está tudo lá em LA? ─ perguntou Stella ─ tenho saudades daquele lugar.
─ ah está muito bem.
─ e a Ashley?
─ muito bem, arranjou um Bofe agora e está muito feliz ao lado dele. ─ Stella Riu do “Bofe”.
─ O Joe apareceu? Tipo, agora só o vejo na internet e na TV, o garoto ficou importante.
─ é ele estava numa tour, mais apareceu já. Lembra da Demi?
─ Demi? Acho que não.
─ amiga da Ashley...
─ Ah sim, a francesa não é?
─ aham, então esta com o Joe.
─ como assim?
─ namorando uai.
─ ah que pena ─ a menina parecia ter ficado triste com a notícia.
─ como que pena? Isso é ótimo para ele.
─ ah você sempre soube que eu o acho um gato.
─ aff para com isso Stella, ele tem a minha idade, muito velho menina.
─ você nunca ouviu que amor não tem idade? E fala sério, qual adolescente que não acha o Joe Jonas um gato?
Eu sorri, até que achamos nossos tios ali também nos procurando.
─ Vanessa, que saudade menina. ─ disse a tia Geovana vindo me abraçar.
─ também estava tia.
─ foi bem de viagem?
─ sim e muito. Sahsuhaus tudo calmo.
─ que bom.
─ vamos embora então? ─ perguntou o tio Fernando.
─ Vamos. ─ disse Stella.
─ quero conhecer a cidade hein, principalmente os shoppings suhasuhsu... ─ eu disse brincando.
─ claro, faço questão de te acompanhar. ─ falou Stella já pensando em segundas intenções.

Fomos para casa, a caminho de meu novo lar eu vi as belas paisagens de Londres, tudo aquilo ali era muito lindo mais parecia que faltava alguém ali do meu lado, sentia falta de alguém um vazio no peito, uma sensação estranha. Chegamos à casa de meus tios, uma casa linda, um jardim enorme e muito florido, logo que entramos na sala da casa fiquei impressionada com tudo, a decoração era antiga, uma mistura de tudo, com a delicadeza dos móveis de modelo mais antigos mais com todo o conforto e a tecnologia dos tempos modernos de hoje, era realmente incrível e impressionante, quadros valiosos nas paredes, vasos de flores, cortinas nas janelas de cores bem vivas em fim, tudo muito bonito.
─ muito lindo. ─ Geovana me olhou.
─ primeira vez que vem aqui não é?
─ é sim, e se vim não lembro. É incrível, parabéns pela decoração.
─ obrigada fui eu mesma que decorei. Rsr..
─ linda. ─ eu estava realmente encantada com tudo aquilo.
─ Vem, vamos mostrar seu quarto Nessa. ─ chamou Stella estendendo a mão.
─ claro. ─ olhei para meus tios abaixando a cabeça. ─ com licença. ─ peguei na mão de Stella e fomos para o tal quarto.


(Zac)

Estávamos já chegando ao aeroporto de Londres, bom a partir dali vou ter que fazer as coisas sozinho. A começar por, achar um lugar para ficar. Algo barato, pois eu não tinha muito dinheiro no bolso. Na verdade Nada! Deveria achar uma alma boa e de coração mole que possa me ajudar o que acho totalmente impossível porque achar uma pessoa assim é muito difícil. Saí do aeroporto observando tudo, a cidade realmente é linda, Londres é um lugar muito bom, para viver e morar. Um moço percebeu que eu precisava de uma ajuda e se ofereceu para dar alguma informação.
─ Por favor, senhor onde posso achar uma pensão? Um hotel? Algo barato ou que pegue cartão americano.
─ olha algo barato em Londres o senhor não vai achar tão fácil. Mais tem um pequeno casarão de uma senhora muito boa aqui no final dessa rua mesmo. Chama-se “Casa da mãe Joana”─ disse o homem informado.
─ ela pega cartão?
─ ah isso eu não sei, mais conversando tudo se ajeita, a dona da casa é ma velhinha muito carismática.
─ tudo bem então, obrigada mesmo senhor.
─ disponha.
Então comecei a procurar a tal “ casa da mãe Joana” uahsusah nome engraçado, minha mãe costumava dizer isso “ Aqui não é a casa da mãe Joana não” hsuahsu bom agora vou ficar lá... hsuahushuah.. Fui perguntando ao pessoal que passava na rua até que encontrei um pequeno lugar onde parecia uma pensão mais não tinha placa alguma indicando. Entrei e perguntei.
─ Olá, aqui é a casa da Mãe Joana?
─ sim, senhor, posso ajudar?
─ eu acho que sim... ─ contei a história inteira para moça da recepção, ela ficou sem palavras, não sabia o que dizer nem o que fazer então chamou a dona Joana, dona da pensão também, eles precisavam saber como Zac poderia pagar a sua hospedagem. O que parecia ser impossível de achar parece que não foi tão difícil assim, a dona Joana era sim uma pessoa de alma boa, coração mole e bem generosa, ela entedeu toda a situação e o deixou ficar ali pagando só o que ele tinha no bolso, uns 500 dólares.
─ entendo sim, e fiquei comovida com o seu ato de vir até Londres atrás dela, uma garota de sorte. ─ comentou a dona da pensão, Eu então fiquei até meio sem jeito com isso mais logo passou.
─ Vem, vamos? Eu vou te levar ao seu quarto. ─ falou a moça da recepção.
─ Claro.
Então a dona Joana disse. ─ Bom, fique a vontade e sinta-se em casa, eu vou voltar a assistir a novela, rsr está muito boa, e o João Leonardo não admiti que ama, a Catarina Maria Severina das Dores, acredita que ela viajou para fora do país e ele foi buscá-la? Muito fofo. ^^
Zac sorriu. ─ Ah acredito sim, parece muito com certa história que estou vivendo.
Dona Joana riu e voltou para a sala assistir a novela.
Os dois subiram as escadas para chegar ao meu quarto, quando chegamos ao número 338, a moça abriu a porta. Eu entrei devagar olhando para os lados, era simples mais muito limpinho, dava para dormir pelo menos. No quarto havia só uma cama de solteiro estendidas com um lençol super branco e um travesseiro, também tinha um guarda roupa para que eu pudesse guardar minhas roupas, mais quais? Nem trouxe rsr também devo pensar nisso.
─ Muito obrigada, está ótimo. ─ disse eu.
─ fique a vontade senhor Efron.
─ obrigada mais uma vez, senhorita? ─ eu fiquei esperando que ela se apresenta-se.
─ Daiane.
─ ah sim, nome de Lady. ─ Daiane sorriu do elogio.
─ obrigada senhor. Fique a vontade, tem alguma pergunta?
─ sim, preciso de algumas roupas? Você sabe onde eu possa comprar?
─ sei, mais o senhor disse que não tem dinheiro...
─ ah pelo menos para uma camiseta de malha e uma bermuda, acho que dá. ─ fiquei um tempo em silêncio ─ tem que ser em algum lugar barato... ─ continuei eu.
─ Bom, tem uma lojinha perto do Shopping, que é muito boa.
─ depois me passa o endereço?
─ ah sim claro. ─ ela se calou. ─ Bom, vou te deixar a sós, o banheiro é nessa porta ai à direita.
─ olhei para minha direita e tinha uma porta.
─ ok muito obrigado, e... As refeições?
─ o café da manha é das 9 às 10 horas, o almoço é das 13h00min até as 14h00min e o Jantar é das 18h00min até as 21h00min, é só comparecer lá em baixo na cozinha.
─ tudo bem.
─ tenha uma boa hospedagem.
─ obrigada mais uma vez. ─ a menina foi e deixou Zac ali no quarto.

(continua?)

Hy Peoples! Vim divulgar um blog aki!



LINK: http://zanessalovezacevanessa.blogspot.com/



é da Jéssica! PASSEM LÀ CAMBADA! uashuahuahsu...

Ps- tambem foi acc na minha lista de blog ali na barra lateral! por favor se o seu num esta lá divulgue ele aki!

(Narradora)


─ NÃÃOOOoOOOoOOOoOOO!!!! ─ Gritou ele passando a mão pelo vidro chorando desesperado. Uma mão apoiou no ombro dele por trás.
─ Não fica assim cara. ─ ele olhou para trás, limpando as lagrimas com a camisa.
─ Joe?
─ ela vai ficar bem.
─ não entendo, porque você a deixou ir, afinal é sua namorada.
─ namorada? Não minha namorada é a Demi. ─ ele abraçou Demi, e Zac ficou sem entender nada, ele pensava que Vanessa gostava de Joe pois, vivia sempre do lado de Joe.
─ mais então por que vocês dois estavam sempre juntos?
─ por que ela é como uma irmã para mim é uma pena ter se mudado para Londres.
─ eu não vou conseguir viver, não sei o que fazer da minha vida, ela ilumina meu caminho e agora... ─ ele se sentou em um banco apoiando as duas mãos na cabeça.
─ não fica assim Zac. ─ Ashley sentou do lado dele e o abraçou.
─ não entendo, ela me ligou dizendo que me amava e vai embora assim...
─ Zac ela ainda te ama. ─ ele negou com a cabeça.
─ ela não vai conseguir te esquecer Zac. ─ Ashley o consolava. ─ foi muito forte pra ela, ela não estava mais agüentando ficar aqui, é melhor deixá-la ir.
─ não, se eu era tão importante assim ela não devia me deixar.
─ Zac, ela não tinha coragem de dizer o que sentia por você, assim como você também não se disponibilizou a dar uma chance.
─ como assim? ─ perguntou ele já confuso e um pouco mais calmo.
─ você não era tão amigo dela assim, vocês conversavam às vezes mais nada de ser muito próximo dela. Você sempre esta com a Laryssa, ela pensa que entre vocês dois há alguma coisa, e outra você é um gato...
Ashley é “cortada” por Scott demonstrando um ciúme bobo ─ hey! ─ Ashley nem deu bola e continuou, pois a situação ali era séria.
─ por você ser assim, um gato, ela não sentia firmeza, ela não acha que você um dia irá querer ter alguma coisa com ela. Você deveria ter dito alguma coisa que a fizesse perceber que você estava a fim.
Ele abaixou a cabeça mais triste ainda. ─ é eu sei, fui um burro, não encarei a situação, tive medo de falar com ela.
Todos se calaram, Demi curiosa do jeito que é não, resistiu em perguntar.
─ O que são esses papéis na sua mão?
─ a passagem. ─ ele respondeu.
─ por que passagem? ─ quis saber Ashley.
─ eu estava decidido a entrar no avião atrás dela, mais decolou antes de eu chegar a tempo. ─ ele passou a mão no cabelo impaciente.
─ por que não muda o horário da passagem e do vôo e vai atrás dela então? ─ sugeriu Joe, Zac olhou para ele de um jeito que ele achou que falou uma besteira.
─ OUL desculpa, eu falando besteira. ¬¬
─ Pelo contrário Joe! TÚ É O CARA!!!! Por isso que eu amo os Jonas Brothers! ─ Zac deu três tapas nas costas dele e saiu correndo de volta para o balcão da TAH ali no aeroporto, Joe ficou muito feliz por ele dizer aquilo.

Depois de tudo arrumado, Zac estava a se despedir do pessoal, pois seu avião já estava a espera dele.
─ tchau gente, obrigada pelo apoio.
─ Zac, você chega lá e procura a TAH de Londres. ─ falou Ashley.
─ Você não tem o endereço?
─ não, eu não moro em Londres nem nunca fui para lá. ¬¬ ─ Ashley olhou para Scott com uma cara de anjinho e disse com uma voz fininha, fininha. ─ Scottinhooo, agente podia ir para Londres não é?
E ele respondeu ─ quer dizer que com a Vanessa você não quer, e comigo quer é?
─ a, eu não queria te deixar ─ ela o abraçou.
─ mais ela tem dinheiro, eu não. ─ Ashley desmanchou o abraço com uma cara horrível mais logo mudou sua expressão.
─ então... Vou indo! Já esta quase na hora, Obrigado Joe, pela idéia, eu fico te devendo uma, cara. ─ ele abraçou Joe.
─ não foi nada cara, não quero ver minha irmãzinha triste por causa de você. ─ Zac sorriu, Demi se despediu dele também.
─ Tchau Zac, acabamos de nos conhecer mais acho que teremos tempo de sobra para conversar depois.
─ pode crer, foi um prazer Demi.
─ o prazer é todo meu. ─ ela o abraçou e deu dois beijinhos nele.
─ Não deixa ela fugir hein Zac! ─ aconselhou Scott.
─ Claro! Pode deixar.
─ Ownn Zac vou sentir muita fala, vai lá e vê se trás a minha amiga de novo para casa. ─ Ashley o abraçou muito forte.
─ tudo bem, eu vou trazer!
─ agora vou indo gente, tchau para todos! E obrigada por tudo!

Zac entrou no corredor onde dava acesso ao avião, todos eles esperaram o avião decolar e depois foram para o apartamento de Demi.

(Zac)


Quem diria que eu, um simples empregado da TAH iria um dia voar para Londres na primeira classe a procura da dona da TAH, uhasuahs pelo menos já estava mais calmo, agora talvez tudo daria certo, o ruim é esse “talvez” sempre tem um “talvez” no meio da história que atrapalha tudo, mais eu não desistirei, nem que ela esteja no fim do mundo, eu irei buscá-la. Vou andar Londres inteirinha a procura da minha amada, e quando encontrá-la vou gritar para os sete ventos e quatro cantos do mundo que eu AMO a Baby V! Eu amo a Vanessa Hudgens! O único problema é que eu estava sem nada, não trouxe malas com roupas, nem dinheiro nem nada, a única coisa que tenho é a roupa do corpo e meu cartão de credito que lá em Londres provavelmente não deve servir. Onde iria ficar? Dormir? Comer? A não importa, depois que eu achar a sede da TAH tudo se resolve. (eu acho) ¬¬

(Vanessa)

Foram às 4 horas mais terríveis da minha vida, estava insegura, com medo, e me sentindo frágil, sem ninguém ali por perto, para conversar, rir, brincar, só sabia pensar na minha vida, em tudo o que deixei para trás e tudo que terei no meu futuro, será que conhecerei um cara tão lindo quanto o Zac? Será que em Londres eu terei uma secretária/amiga tão melhor quanto a Ashley? Bom tenho certeza que não, a Ashley é daquele jeito, meio doidinha mais tenho certeza que a amizade dela não é igual a nenhuma outra e sobre o Zac (...). Bom, eu acho que é coisa passageira, me apaixonei loucamente por um cara que vi durante uma semana e não tirei mais ele da cabeça mais isso passa, com certeza acharei um cara tão bom quanto ele e que serei feliz do lado desse novo homem. Espero que o que eu estou pensando agora se torne realidade... Eu preciso dar um jeito na minha vida encontrar um sentido para ela e saber quais são meus objetivos.
“Senhores passageiros, permaneçam quietos nos seus lugares até que o avião termine de pousar, estamos sobrevoando o aeroporto de Londres” ─ anunciaram no alto-falante do avião, pronto é só isso, não tenho o que dizer, não tem mais jeito estou entrando na minha nova vida, espero que todos fiquem bem lá, pois eu tentarei ser feliz aqui.

(Zac)

Até o momento estava tudo calmo, a aero-moça me sugeriu umas bolachinhas de coco com um suco natural de laranja, o serviço da TAH é realmente muito bom aquilo tudo era um sonho, pelo menos para mim, era a primeira vez que eu estava andando de avião, estava com medo, frio na barriga mais todos aqueles problemas rondando minha mente nem me fez lembrar-se disso. De repente o avião começa a balançar, e tudo tremer, as luzes a piscar, todos os passageiros no avião ficaram apavorados, o que estava acontecendo? A aero-moça chegou ali com uma expressão de quem não queria passar uma impressão ruim para todos e disse: “estamos passando por um trecho de turbulência, por favor, fiquem nos seus lugares quietos, que logo passara” mais aquilo só nos deixou mais apavorados ainda.

(Continua?)

─ Aonde você vai? ─ perguntou ele assustado com aquilo.
─ embora...
─ para onde?
─ Londres.
Ele até o momento calmo, depois disso se desespera e faz o maior escândalo.
─ NÃO!!!!!!! Você não vai ir para Londres! Eu não vou te deixar ir, você não pode me deixar aqui, Vanessa me escuta, você esta fazendo a maior burrada da sua vida, fica! Você não vai, não vai, não vai!
─ ah vê se me erra! ─ ela pega as coisas dela e vai em direção a porta, mais ele corre e a segura pelo braço.
─ Me solta!
─ Não! Eu não vou deixar você ir!
─ me solta que você está me machucando! Drake me solta. ─ ele negou com a cabeça. ─ DRAKE ME SOLTA!!!!! ─ ele a segurava com toda a força que ele tinha naquele momento, quando ele a soltou, uma mancha vermelha ficou marcada no braço dela.
─ Vanessa não vá?!─ ele implorou com, os olhos cheios de lagrimas.
─ Tchau Drake... Me, desculpe por tudo. ─ ela fez um simples sinal com a mão e foi para o carro de cabeça baixa.

(Zac)

Eu saí da empresa sem saber o que fazer e para onde ir, ela não podia me deixar ali... Eu não posso a deixar ir! Não sei o que fazer... Fiquei vagando pelas ruas sem direção, eu pensava que: Por que eu não fiz nada? Por que eu não disse que a amava? Por que eu não tomei uma atitude? Por quê? Por quê? E Por quê?
Eu ali, pensando na vida, me perguntando por quê ela estava indo quando meu celular tocou e eu atendi, estava meio fora de si com tudo aquilo e inconformado com a atitude dela.
─ alô.
─ Zac, eu queria me despedir... Estou indo para Londres e vou sentir sua falta.
─ Vanessa, você não pode fazer isso comigo! Não vá.
─ eu tenho que ir, eu preciso mudar.
─ Vanessa eu quero... ─ Vanessa o interrompe dizendo.
─ Zac eu nunca te disse isso mais ─ depois de um silencio ela diz ─ eu gosto de você. ─ ela desligou o celular sem o deixar dizer mais nada.

(Vanessa)

Fechei o celular chorando por causa de tudo aquilo que eu estava deixando para trás, não me importa as coisas materiais que irei deixar, o importante é o sentimento, tudo e todos que eu amo nessa cidade. O Zac,
vou sentir muita falta dele, mais estou decidida a ir, sei que não daria certo mesmo, eu e ele não combinamos não dá, nunca que eu ia namorar ele, pelo menos disse que eu o amo, antes de ir.
Olhei para o relógio para ver as horas quando alguém no alto falante disse: “Passageiros do vôo 590, favor se dirigir a fila de embarcação.” Então olhei em volta, peguei minhas malas e segui para fila quando gritaram meu nome.

─ Vanessa! ─ era Ashley correndo em minha direção com Scott do lado, me virei, coloquei as malas no chão e quando ela chegou perto de mim a abracei muito forte.
─ Amiga você tem certeza que quer fazer isso? ─ disse Ashley.
─ Tenho toda a certeza do mundo.
─ sentiremos falta Vanessa. ─ comentou Scott batendo de leve nos braços meu.
Eu sorri ─ eu também.
─ Vanessa você vai, mais eu sempre estarei com você! ─ Os olhos de Ashley começou a ficar cheios de lagrimas.
─ Own amiga, não fica assim. Te amo está bem.
─ também te amo ─ as duas se abraçaram de novo. ─ agora vai, por que se não minha maquiagem vai borrar e você vai perder o vôo. Eu sorri, também com os olhos lacrimejando.
─ ok, cuida dela Scott! ─ com a cabeça ele fez positivo e eu fui para fila.
─ VANESSA! Espera ─ gritaram meu nome novamente, era Joe e Demi, eu me virei larguei as malas ali e corri para abraçar os dois.
─ você não ia ir sem me dar tchau não é? ─ disse Joe sorrindo.
─ claro que não. ─ os dois se abraçaram e depois Demi a abraçou também.
─ boa viagem!
─ obrigada! Amo vocês! ─ Vanessa jogou beijos no ar para eles, e olhou para a aeromoça na porta a esperando.
─ Vamos? ─ perguntou ela.
─ sim. ─ então ela me conduziu para dentro.

(Narradora)

Depois de Vanessa ter entrado, Ashley, Scott, Joe e Demi se viraram e foram para uma parede de vidro onde dava para ver o avião decolar. Ashley e Demi choravam muito, Joe e Scott também estavam triste por ela ir mais como eram durões seguraram o choro.

(Zac)

Cheguei ao aeroporto atrás dela, corri por todo o lado gritando seu nome, e perguntando para o pessoal. O desespero estava batendo a minha porta, acreditava que ela ainda estaria ali em algum lugar esperando seu vôo chegar. A mulher avisa no alto falante assim “Ultima chamada para o vôo 590 para Londres” quando escutei a palavra Londres corri para o balcão de informações.
─ Moça, preciso de uma informação! ─ a moça com toda a calma do mundo, falava ao telefone com uma amiga.
─ Moça estou prestes a perder o amor da minha vida! ─ disse eu nervoso batendo no balcão ─ Ok? Então será que dá para parar de fuxicar a vida dos vizinhos e fazer o seu trabalho?! ─ a moça olhou para mim, com medo e desligou o telefone devagarzinho.
─ posso ajudar?
─ sim! Eu quero saber se Vanessa Hudgens está no vôo 590.
─ Vanessa Hudgens?
─ Sim Mulher! Sua patroa! A dona da Transport Aerios Hudgens!
─ calma, senhor, mantenha a calma que eu irei verificar nos documentos.
─ Calma!? Como Calma????? Não tem como ficar calmo! ─ a moça olhou nos documentos do computador e disse.
─ sim, senhor ela está nesse avião, na primeira classe.
─ E tem quanto tempo para decolar?
─ 5 minutos.
─ 5 minutos? ─ Zac ficou preocupado com o pouco tempo, não sabia mais o que fazer. ─ tem passagens ainda?
─ tem. Mais não sei se vai dar tempo do senhor chegar ao avião.
─ não me importa! Anda rápido com isso!
─ não tudo bem, tudo bem! Passe seus documentos e cartão de credito. ─ Zac tirou do bolso, seu passaporte e tudo o que precisa para poder viajar. Depois de uns 3 minutos ele estava correndo para a fila de embarcação. Quando chegou lá não tinha mais ninguém ali, a aeromoça já estava no avião, todos os passageiros também só o segurança estava lá.
─ Não dá mais tempo colega! O avião acabou de decolar. ─ informou o segurança.
Zac correu para a parede de vidro confirmar e era verdade, o avião havia decolado. “Vôo 590 acaba de decolar em direção a Londres” falaram no auto falante.

(continua?)





-----------+-----------------


Pesooal denovuu peço desculpas pela demora!! hoje foi um dia corridoo! muituu corrido! eu arrumei um estagio remunerado, então meu dia ficou mais corridoooo! me desculpem nem sei se vai dar tempo de escrever os capitulos mais... mais eu num vou esqueçe de vcs! sempre q puder venho aqui postar! decidi não terminar a fic nesse capitulooo então fiquem despreocupadas... e sobre minha amiga: ela está melhor, obrigada a todas vcs que deram apoio moral a nois!

gente mais um blog para divulgar!!


http://everniley.blogspot.com/


é da amiga da Vanessa... rsrsr...


tambem estara na lista de blogs interessantes!

Pessoal estou muitoo mal, por isso não irei postar hoje!

motivos:



Não fiz o capitulo! (não sei se é o ultimo!)
Minha Amiga Nathalia está no hospital entre a vida e a morte com o namorado dela por causa de um acidente de carro.
Oscar! (gastei meu dia intero pegando fotos de Zanessa e videos rsr..)
Lição (Trabalhos da escola para amanhã)

intão espero que compreendam!!! amo vcs!

Ps- Rezem pela minha amiga, ela ta quase morrendo! :'(

Novoooo blog para divulgar pessoal!!!



http://verdadeirahistoria-zanessa.blogspot.com


o link esta aiii!! passem lá hein.... é da garota do blog .. ushauhsuah...

tambem será acc na lista de blogs interessantes se o seu ainda não esta na lista divulgue ele aki!

(Narradora)


Quando Zac estava voltando para a empresa depois do almoço, Um moço chegou atrás dele e disse.
─ Hey! ─ ele se virou todo educado e disse
─ sim?
─ você é o Zac!?
─ eu mesmo e você?
─ Drake! Drake Bell! ─ Zac sempre simpático do jeito que é, continuou.
─ Efron, Zac Efron.
─ podemos conversar? Quero saber que história é essa de você estar namorando a minha namorada Vanessa Hudgens.
─ O que?
─ Own não se faça de desentendido.
─ namorada?
─ não queira ser o galã da história não, porque essa história já tem um galã, Eu. ─ Zac riu debochando dele.
─ Galã? Hahahhaaha...
─ só vim avisar que é para você não chegar nem perto da Vanessa, por que se não sabe lá o que vai acontecer com você.
─ o que vai acontecer comigo? Vai me matar? ─ Zac foi chegando perto dele, tirou os óculos escuros e o encarou fundo nos olhos.
─ pode ser.
─ idiota!
─ quem avisa amigo é, fica longe dela!
─ vai-te catar, filho de uma mãe... ─ Drake saiu dali P*** da vida, enquanto Zac...
─ corre moçinha da história.. ─ ele continuou seu caminho até a TAH rindo da cara de Drake. Só queria saber como esse Drake sabia que ele era o Zac? E que ele conhecia a Vanessa? E quem era o Drake? Como ele conhecia a Vanessa? Zac estava realmente confuso.
Chegando à empresa, Vanessa estava entrando no prédio com Ashley, ele correu para alcançar as duas.
─ Ashley podemos conversar? ─ disse ele ofegante.
─ Ashley? ─ perguntou Vanessa, pensando que ele queria falar com ela.
─ sim claro. ─ disse Ashley, Vanessa entrou no elevador deixando os dois sozinhos. ─ e precisamos conversar mesmo!
Ela o puxou pelo braço para um canto do corredor onde os dois poderiam conversar em paz.
─ como assim? ─ disse ele.
─ Não vê que ela esta totalmente apaixonada por você?!
─ Por mim?
─ Aff se toca Zac! A menina fica toda esquisita na sua frente, e agora ta em depressão por causa...
─ de mim?
─ de você não, mais... Também.
─ porque também?
─ ela esta se sentindo sozinha, solitária.
─ por?
─ ZAC! A menina ta longe da família dela, e você nem pra da uma força.
─ o que você quer que eu faça??? Mal falo com ela, e quando vou falar ela foge.
─ claro, ela gosta de você mais não quer admitir isso para... Você.
─ hum...
─ Acho melhor você tomar uma providencia logo, porque acabamos de sair do aeroporto.
─ aeroporto?
─ sim, ela está decidida a ir para Londres.
─ NÃO! Não pode!!!! ─ disse ele surpreso com aquilo.
─ você gosta dela?
─ Não sei...
─ Então se decida de uma vez! ─ Ashley entrou no elevador que estava quase saindo enquanto ele ficou ali com a menta a mil por hora, sem saber o que fazia.

Zac voltou ao seu trabalho, ele ainda ali trabalhando vê Vanessa indo embora sozinha sem Ashley. Depois de um tempo Ashley sai da empresa, mais antes dela entrar no táxi ele a chama para conversar.
─ Ashley! ─ disse ele fazendo sinal para que ela fosse até lá, então a menina foi.
─ oi?
─ Por que a Vanessa saiu mais cedo?
─ para arrumar as malas dela, o vôo dela sai daqui 4 horas.
─ COMO?
─ 4 horas, um, dois, três e quatro!
─ aff! Mais e a empresa?
─ ela se despediu hoje em uma reunião de ultima hora e disse que vai continuar a comandar lá de Londres.
─ não, não ela não pode fazer isso comigo!
─ Zac... faça alguma coisa!
─ mais eu não sei o que fazer.
─ sei lá se vira!
─ e você onde está indo?
─ para casa do meu namorado, depois de um banho vou para meu apartamento acompanhar Vanessa até o aeroporto.
─ e você? Ela vai te deixar?
─ bom isso é horrível pra mim mais continuaremos amigas.
─ não, ela não pode fazer isso... Estou inconformado com essa atitude.
─ corre pra ela Zac. ─ Ashley entrou no táxi, e ele ficou lá nervoso sem saber o que fazer e muito impaciente.

(Vanessa)

Isso tudo é muito triste para mim, estou me sentindo como naquele dia da morte de meus pais, deixar, tudo para trás me dói muito. Foi aqui que eu cresci, aprendi a viver, tive meus primeiros amigos, tive meu primeiro namorado, grandes amores que deixarei para trás. Não sei se estou fazendo uma coisa boa ou ruim para minha vida, só sei que preciso mudar, mudar meu jeito de ser, mudar meus atos, mudar os lugares onde eu passo meu dia a dia... Tenho que pensar no meu melhor e acredite, eu acredito mesmo que isso vai ser bom para mim... Sentirei falta de tudo isso. Mais tenho que seguir o meu próprio caminho, seguir em frente e acreditar, e ter coragem de enfrentar as coisas, sozinha. A cada coisa que eu colocava na minha mala eu lembrava de alguma coisa que aconteceu, foram tantos momentos bons e ruins passado ali naquele lugar, lágrimas escorriam pelo meu rosto molhando toda a minha face. Logo que acabei de arrumar a mala, me despedi daquele apartamento e fui até minha casa se despedir de todos lá.

─ Menina Vanessa não faça isso. ─ disse dona Maria chorando muito.
─ preciso ver minha irmã. ─ eu a abracei.
─ sentirei saudades. ─ falou dona Joana.
─ eu também, muitas... ─ abracei ela também.
─ você vem nos visitar não é? ─ falou Faby, a filha de dona Joana, também muito amiga da Vanessa.
─ Claro Faby, assim que puder estou aqui, vocês não vão se livrar de mim... tão fácil. ─ Vanessa a abraçou chorando muito.
─ não tivemos tempo de conversar muito depois da morte de meus pais mais eu te amo demais amiga.
─ eu também, vai com Deus... ─ elas desmancharam o abraço, Vanessa pegou suas malas no chão e se virou para ir embora quando Drake chegou ali.

(Continua?)

─ Pronto ─ disse a menina.
─ Demi? ─ Joe falou tímido.
─ Oui, qem é?
─ Joe.
─ por que está com o celular da Baby?
─ ela me emprestou.
─ hum... ─ depois de alguns segundos de silencio ─ queria saber se nós poderíamos conversar?
─ claro, pode falar!
─ queria que fosse pessoalmente... ─ ela ficou pensativa mais disse:
─ Oui, onde podemos nos ver?
─ quer ir ao parque de diversão?
─ Aham! Amo a roda gigante!
─ que bom ─ ele sorriu ─ nos vemos lá amanhã às uma da tarde, pode ser?
─ sim, na barraquinha de algodão doce.
─ ta! ─ ele desligou o celular super feliz porque ela tinha aceitado.
─ viu você já está melhor.
─ obrigada! ─ os dois se abraçaram.
─ bom agora vou indo, por que amanhã o dia é difícil na empresa.
─ está bem! Tchau! Eu Te amo.
─ também te amo! ─ falou Vanessa saindo do quarto.

Vanessa foi para casa dormir, pois, já era tarde. Na manhã de segunda ela foi trabalhar, enquanto Ashley ainda não havia chegado em casa, pois dormiu com Scott na casa dele.

─ Scottinho, acorda benhê... ─ disse ela toda manhosa de roupa de baixo beijando a boca dele, ele aos poucos foi abrindo os olhos.
─ a que bom acordar com a minha deusa do lado. ─ Ashley sorriu, e foi para a cozinha preparar alguma coisa para eles tomarem café, ele levantou, tomou um belo de um banho quente, vestiu o uniforme do trabalho e foi tomar café.
─ Vai trabalhar? ─ perguntou Ashley passando o café.
─ sim, já estou atrasado.
─ que pena. ─ ele a deu um selinho e ela continuou a passar o café.
─ hum... To gostando de ver. ─ ele sorriu e se sentou a mesa.
─ O que?
─ Você! Com essa roupa, passando o café... da para casar hein. ─ ela olhou para o que estava vestindo e disse.
─ ah esqueci por pelo menos um roupão ¬¬ termina aqui que eu vou lá colocar uma roupa?
─ Não, Não! Está ótimo assim! ─ ele a olhou dos pés a cabeça.
─ Safado! Eu vou lá! ─ ela largou tudo ali e foi para o quarto se vestir, ele se levantou da mesa e continuou a preparar o café.

Quando era meio dia, Vanessa estava saindo para almoçar, quando ela iria entrar no elevador da de cara com Ashley saindo chegando à empresa.

─ Nananinanão! ─ disse ela puxando Ashley para dentro do elevador novamente.
─ que foi? ─ o elevador se fechou
─ onde você estava? Pode começar a explicar.
─ Nossa resolveu entrar no personagem da chefa agora? ─ disse Ashley brincando.
─ agora estou sendo a Chefa e a amiga preocupada. ─ Ashley sorriu e disse.
─ estou bem, passei a noite com o Scott.
─ e seu atraso no trabalho?
─ bom... você me conhece não é... ─ ela afinou a voz no ultimo.
─ aff tudo bem. ─ o elevador se abriu e as duas saíram enganchada uma no braço da outra.
─ Vamos para onde?
─ comer. ─ Vanessa passou pela porta de entrada da empresa e viu Zac parado de braços cruzados, óculos escuros, terno e gravata... Em fim um gato! Ashley percebeu as trocas de olhares deles e quando elas estavam realmente sozinhas...
─ amiga, não faz isso não.
─ isso o que?
─ você pensa que eu não percebo esse monte de olhares entre vocês dois.
─ ah sei lá, se ele gosta de mim? Até agora não demonstrou nada disso...
─ o que falta em vocês dois é... Coragem.
─ hum... ─ Vanessa fez umas caretas e entrou no carro com Ashley.
─ dá uma forçinha? ─ Perguntou Vanessa ligando o carro.
─ vou tentar falar alguma coisa para ele.
─ vê se dá umas indiretas bem dadas hein...
─ rsrs... Ashley Michelle Tisdale, uma cúpida profiii não brinca em... serviço. ─ As duas riram alto, e foram almoçar.

Enquanto isso, Joe já estava a caminho do parque de diversões, chegou lá bem antes de Demi e ficou sentado esperando ela no banquinho. Ele estava muito nervoso, não sabia ao certo o que dizer, o que o deixava apavorado, seu medo era falar uma besteira e ela sair correndo. Depois de um tempinho ela chegou, linda por sinal, com uma faixa preta e branca na cabeça e a roupa combinando.
─ Oi... ─ disse ele.
─ Olá Joe. ─ ela o abraçou amigavelmente. ─ muito divertido esse parque.
─ deve ser por isso que se chama parque de diversões ushaush... ─ Os dois riram juntos e trocaram olhares por um tempo.
─ ham... Vamos aos brinquedos? Ou viemos só para conversar? ─ ela perguntou mostrando o dedo para a roda gigante.
─ Não, quer dizer... Claro, vamos sim! ─ ele parecia enrolado. Foram os dois então para a roda gigante, ela estava muito feliz.

(Joe)

Seu sorriso me encanta, é de apaixonar, o jeito dela falar... esse “Oui” Ownn é tão lindo... ela estava bem entretida com tudo ali naquele parque, parecia uma criança de 6 anos na piscina de bolinha.

─ está gostando? ─ perguntou ele.
─ muito! Eu nunca vim num parque de diversão.
─ mais você disse que gostava da roda gigante.
─ sim, acho ela linda mais nunca subi nela, to com medo.
─ não se preocupa que comigo você está... segura. ─ ela sorriu delicadamente e chega a vez deles subirem no banquinho deles... Demi no começo ficou morrendo de medo daquela altura.
─ ainn tem certeza que esse coisa não cai?
─ calma, não cai não.
A roda para lá em cima deixando eles lá no alto, Demi se apavorou com aquilo.
─ AAA Jésus.
─ Demi... Eu te chamei aqui no parque para te falar umas coisas que estão entaladas aqui na minha garganta. ─ ele pegou nas mãos dela.
─ tem certeza? Não pode ser depois não? ─ ela disse isso impaciente olhando para baixo.
─ Não, não pode...
─ tudo bem... Mais e essa coisa?
─ Olha pra mim que você nem vai perceber a altura disso. ─ ele ergueu o rosto dela puxando de leve para sua direção.
─ tudo bem ─ disse, ela, olhando fixamente nos olhos dele. Joe olhou para baixo tímido e disse.
─De repente você apareceu, chegou do nada apenas com um sorriso sedutor e um brilho no olhar.
Sua atenção, seu carinho, sua presença sempre constante foi descortinando para mim o mundo de sonhos e emoções que eu não pensava ter. Você foi tomando conta de meus pensamentos, modificando hábitos e atitudes em minha vida, me vi perdendo o controle da situação onde antes a segurança e a certeza comandavam. Não posso dizer que estou triste por isso, apenas assustado com essa situação nova para mim, estou é muito feliz por ter te encontrado e quero pedir desculpas por tudo que te fiz na infância, e ficarei ainda mais feliz se você me aceitar como um (...) namorado, ou até mesmo um amigo.
Demi diante daquela situação esqueceu a altura em que estava e disse meio confusa.
─ espera aí você está tentando me dizer que me ama?
─ sim Demetria Devone Lovato, eu te amo... Faz pouco tempo que descobri isso mais, esse tempo me fez perceber o quanto é importante dar valor em seus amigos, eles podem se tornar mais importante do que pensamos. ─ ele abaixou a cabeça. ─ tudo bem então, se você não me quiser tudo bem, eu sempre fui um idiota astro de rock mesmo, vou continuar sendo.
─ Não, para Joseph com isso, eu... Também gosto de você e achei o que você falou agora muito joli...
─ que isso?
─ bonito. ─ nós dois sorrimos, rolou um clima e eu fui me aproximando dela, foi um beijo rápido mais muito bom, um sentimento diferente que eu nunca senti antes, depois que descemos da roda gigante, pedimos para um visitante do parque, tirar um foto nossa, queríamos marcar aquele momento tão lindo.







(continua?)

A Noite quando Vanessa acara de sair de um longo e quente banho, seu celular toca, ela então se enrola na toalha e atende o celular que estava em cima do balcão do banheiro.
─ Alo! ─ disse Vanessa sem saber quem é.
─ Quem é Zac? ─ logo ela percebeu que era o chato do Drake, enchendo o saco.
─ Drake, me deixa em paz.
─ só depois de você me dizer quem é esse tal de Zac.
─ Tá bom!
─ Ta bom? ─ ele estranhou isso, claro que ele estava pensando em receber um Não, Não e Não, já que Vanessa sempre foi difícil com ele, mas dessa vez foi diferente.
─ sim, eu vou te dizer quem é Zac.
─ ah que bom, diz logo! ─ ele ficou aliviado.
─ Zac é um rapaz que trabalha na TAH.
─ só isso? ─ pensando que ela iria lhe dar mais informações ele ficou surpreso.
─ sim.
─ aff isso eu já sabia.
─ se quiser saber mais, pesquise!
─ tem razão... Acho que vou contratar um detetive.
─ nossa ─ ela ficou surpresa ─ não precisa de tanto.
─ então como?
─ já pensou em Internet?
─ é mesmo. ─ ele ficou pensativo ─ obrigada por me ajudar a descobrir quem é esse idiota que ta me colocando chifre.
─ de nada. ─ ela desligou o celular segurando o riso. Quando Ashley chegou correndo no quarto gritando.
─ VANE!!!!! ─ Vanessa se assustou e saiu do banheiro para ver o que tinha acontecido.
─ que é?
─ eu preciso te contar.
─ o que?
─ estou apaixonada. A até que enfim eu encontrei minha alma gêmea.
─ como assim? Explica-me garota.
─ ele ta lá em baixo... A, eu não sei o que eu faço. ─ a menina tremia de nervoso.
─ ele quem?
─ meu amor.
─ vai lá, o que você ta fazendo aqui então?
─ é que eu abri a porta e me entregaram um buquê de rosas vermelhas escrito... Eu te amo.
─ idaí?
─ aí bateram na porta de novo e me entregaram mais um.
─ que estava escrito?
─ você é o amor da minha vida.
─ Ownnn *---*
─ bateram de novo e eu abri já brava sem saber quem era o louco que ficava me mandando aquilo.
─ e...
─ e apareceu Scott com chocolates e mais um buquê de flores na mão O.o
─ por quê?
─ por quê? Como por quê?
─ o que ele disse?
─ ele se ajoelhou ali na minha frente que nem um idiota e disse: Você me completa Ashley.
─ Ownnnnn *-----------*
─ não sei o motivo que o levou a fazer isso mais é muito esquisito.
─ para de reclamar Ashley! O cara ta lá te esperando e você aqui...
─ tem razão não é? Melhor eu ir lá.
─ Corre! Eu vou trocar de roupa e já desço.

Ashley desceu correndo e quando chegou à frente dele disse...
─ então...
─ o que me diz? Quer namorar comigo? ─ Ashley ficou sem fala naquele momento, de repente assim em um passe de mágicas o sapo virou o príncipe encantado.
─ Ashley, existe milhões de pessoas no mundo e eu demorei em perceber que quero ficar só ao seu lado, você me fez perceber como é lindo amar, eu não consigo mais te olhar sem te dizer eu te amo, nesse pouco tempo que nós realmente, nos conhecemos você roubou meu coração e, eu nunca amei ninguém como eu te amo hoje.
Se aproximando dele ela fechou os olhos lentamente, nesse momento os dois se sentiam incapaz de controlar seus movimentos, então tudo aconteceu naturalmente os lábios dela se encostaram aos deles devagar até colarem um no outro resultando num beijo intenso e muito bonito.
Quando Vanessa desceu do quarto para a sala os dois estavam saindo.
─ aonde vocês vão? ─ perguntou ela.
─ sair. ─ disse Ashley felicíssima com tudo o que estava acontecendo.
─ está bem, se cuidem e não façam nada que eu não faria.
─ rsr pode deixar. ─ falou Scott com uma cara de safado.
Ao deixarem Vanessa sozinha, ela voltou para o quarto e ligou para Joe, por quem estava sentindo muitas saudades.
─ Alô.
─ Joezinho...
─ Baby V, estava mesmo querendo falar com você.
─ sobre?
─ não sei...
─ ué.
─ é que eu... ─ ele estava nervoso com o que iria dizer.
─ diz...
─ é sobre sua amiga... A Demi.
─ aham... ─ ela já começou a imaginar sobre o assunto que ele iria falar mais se fez de desentendida.
─ eu queria falar com você, tem como vir aqui em casa?
─ claro, estou indo, também tenho coisas pra te falar.
─ vem logo!
Ela desligou o celular olhou no relógio que mostrava onze horas da noite, pegou as chaves do carro e foi. Depois de 25 minutos ela chegou lá, Nick, irmão de Joe abriu a porta da casa deles.
─ Oi Nick, e o Joe?
─ No quarto, pode subir Vanessa.
─ Obrigada! E como vai a Miley?
─ Muito bem...
─ Faz tempinho que não falo com ela, vocês já pensam em se casar?
─ acho meio cedo mais quem sabe um dia... ─ Vanessa sorriu e foi para o quarto de Joe, onde ele estava deitado na cama com a televisão ligada num filme de comédia mais ele não parecia muito animado.
─ o que ouve?
─ que bom que chegou Mana.
─ o que foi? ─ ela se sentou ao lado dele na cama.
─ queria perguntar, se a Demi perguntou alguma coisa, de mim? Tipo, não sei o que aconteceu, de repente não paro de pensar nela.
─ bom, ela não fala muito mais eu acho que...
─ se acha que ela pode me achar interessante? Eu sei nunca me apaixonei assim tão rápido, mais aquela menininha inocente que eu vivia atormentando na escola, hoje me enfeitiçou.
─ interessante? Sim, só que ela não admite isso. Acho que você deveria conversar com ela, sozinhos.
─ mais não sei como, não tenho tanta intimidade com ela... Tipo não somos mais tão amigos, ficamos afastados durante esse tempo, na verdade nem (...) lembrava dela.
─ eu posso dar um jeito... ─ Vanessa sorriu ironicamente e pegou seu celular na mão, discando um certo numero deu seu telefone para Joe falar...
─ o que é?
─ Fala de uma vez que ta chamando. ─ ele pegou o telefone na mão e depois de um tempinho Demi atendeu.


(continua)

(Vanessa)

─ Como o quê? Eu vou ir para Londres.
─ mais como? Você não pode me deixar...
─ uai com o avião e eu não vou te deixar! Você vai junto comigo!
─ ah não vou não. ─ disse a Ashley mexendo o dedo indicador de um lado para o outro.
─ credo amiga, por que não?
─ pelo simples fato de Londres ser do outro lado do mundo!
─ nem é tanto assim, está aqui do lado...
─ aqui do lado? ─ ela diz debochando ─ você diz isso como se Londres fosse ali à esquina.
─ não exagera, mais o fato é... Que eu preciso ficar perto da minha família.
─ por quê?
─ Ashley, acho que você não sabe o que é se sentir sozinha mesmo estando todo o tempo rodeada de pessoas que te amam.
─ eu sei sim amiga e te entendo, mais você não pode deixar tudo... A empresa, seus amigos, sua coisas, sua casa... o Zac.
─ ain amiga, a empresa eu cuido lá da sede de Londres, meus amigos estarão sempre comigo ou você vai me deixar? Tenho certeza que o Joe e a Demi, não vão.
─ claro que não.
─ minhas coisas? São apenas objetos baterias que não valem muita coisa a não ser dinheiro e os mais importantes eu vou levar.
─ mais...
─ a casa vai fica de qualquer jeito, mais não vai ser vendida não porque é essa casa que meu pai e minha mãe conseguiram comprar com o pouco de dinheiro que tinham quando se casaram e com os passar dos anos foram aumentando, nessa casas existem muitas memórias que vamos levar para sempre.
─ e o Zac?
─ ah eu não sei, ainda estou pensando. Não sei se gosto dele ou não, sabe hoje no elevador ele iria me dizer alguma coisa mais não deu tempo. O elevador se abriu... ¬¬
─ ele disse que gosta de você?
─ não, na verdade também acho que (...) não. Mais eu tenho que tomar coragem de conversar com ele, eu não posso ser assim a vida toda.
─ assim como?
─ tímida em certas horas, não posso esperar meu príncipe encantado chegar sendo que não estamos mais nos tempos medievais. Agora mudou, essa historia de cavalheirismo, do homem chegar na mulher e se declarar não existe mais, eu que não me acostumei ainda com a atualidade.
─ amiga, todo mundo tem seu príncipe encantado.
─ e o meu com certeza não é o Zac. ─ disse eu abaixando com os olhos lacrimejando.
─ não fica assim não... ─ Ashley passava a mão delicadamente no meu cabelo tentando me consolar.

Quando abrimos a porta para ir embora Drake estava no corredor apoiando o tênis na parede.

─ quem é Zac?
─ tava escutando atrás da porta é? ─ insinuou Ashley.
─ parabéns! Conseguiu concluir isso sozinha? É um grande passo para uma Loira Burra.
─ Olha... Loira não é Burra, Burro são aqueles que acham que Loira é burra! ─ Ashley apontou o dedo no rosto dele.
─ Vamos Ashley, não vale a pena falar com esse aí.
─ você não me respondeu. Quem é Zac? ─ insistiu Drake.
─ não interessa! ─ Eu puxei Ashley e nós descemos as escadas correndo.
─ tudo bem então! Mais saiba que eu não vou deixar você ir para Londres! ─ gritou ele.
─ é mesmo? ─ disse ela saindo de casa.

No carro...

─ Não o agüento! ─ falei eu dirigindo.
─ com razão né, não sei onde você andava com a cabeça quando aceitou namorar, com ele. ─ disse Ashley admirando a vista pela janela do carro.
─ a mais cai entre nós, ele é bonito?!
─ é mais é um tonto também.
─ e no começo ele não era assim.
─ pra você ver como as pessoas, tem duas caras, mesmo não querendo.
─ Pois é.
─ mudando de assunto...
─ que é ─ perguntei para Ashley.
─ vai mesmo para Londres?
─ não sei... Querendo ou não terei de fazer alguma coisa.

(Zac)

Estava saindo da empresa, mais antes deveria falar com a Laryssa, então fui até a recepção e ela já estava pegando sua bolsa para ir embora então eu gentilmente a fiz um convite.

─ oi?
─ Oi! ─ disse ela se virando com um enorme sorriso no rosto.
─ vamos juntos?
─ Claro, só um segundo para eu retocar a maquiagem?
─ está bem.
Ela foi ao banheiro para retocar a maquiagem e eu fiquei ali a esperando. Depois de uns 10 minutos, Laryssa voltou.
─ Vamos.
Eu e ela fomos, havia um taxi nos esperando na porta da empresa. Entramos no taxi e ela não parava de me olhar, daquele jeito estranho sabe?
─ precisamos conversar... ─ disse eu.
─ sobre o que?
─ sobre eu e você.
─ Zac eu sei o que você vai dizer.
─ sabe?
─ sim, eu também sinto a mesma coisa.
─ não, não, não você está entendendo errado. ─ ela que estava toda alegre ficou preocupada.
─ o que foi? Você não ia me dizer que me ama?
─ Não! ─ eu disse isso auto e o motorista do taxi, olhou para nós. ─ O seu motorista pode nos deixar aqui mesmo? ─ o motorista parou o carro no sinal vermelho e disse.
─ são 40 dólares. ─ eu o paguei e nós descemos do carro.
─ continuando... Eu quero que você pare com isso.
─ Isso o que Zac?
─ esse jeito que você me olha, esse jeito que você fala comigo, esse jeito de quem está apaixonada por mim.
─ mais eu gosto de você.
─ Mais eu não gosto, quer dizer gosto mais não do seu jeito. ─ ela abaixou a cabeça triste ─ não quero que fique triste, sei que você vai encontrar um cara certo talvez até melhor que eu.
─ difícil, você é único Zac. ─ ela olhou cabisbaixa pra mim e eu a dei um beijo na testa.
─ Tchau, espero que fique bem...

Ela continuou o caminho da casa dela de apé e eu fui para a minha também.


(Continua?)

genteee tenho um novo blog para divulgar!!! é da Vanessa - esta no começo ainda intão vamos dar uma força a ela ok?


http://zannessaa.blogspot.com



ai esta o link, o blog tambem estara na minha lista de blogs interessantes ali na barra lateral! se vc tamem quiser seu blog lá basta pedir para eu divulgar q divulgarei com prazer!

Gente eu queria divulgar aqui meu formspring!



por favor perguntem lá ok????


www.formspring.me/marypricah


tamem tem meu Twiiter...

www.twitter.com/MARYPRICILA

Msn...

mary_zanessa@hotmail.com


e orkut!

marychele2006@yahoo.com.br



Por favor gente acc aiii tá?

(Vanessa)

Olhei para ele e agradeci pelo gesto humilde de ter “segurado” o elevador para mim.
─ Obrigada! ─ disse eu afobada.
Ele apenas sorriu.
─ como passou o final de semana?
─ Bem, sábado fiquei aqui com você e domingo é hoje. Rsrs...
─ é também não gostei dessa história de ter que vir ao trabalho no domingo.
─ na verdade para que nós estamos aqui mesmo?
─ bom, já que domingo é o primeiro dia da semana e não a segunda... estamos aqui.
─ deveríamos reclamar com a dona. Isso é injusto.
Olhei para ele O.o
─ ah desculpa, você é a dona. ─ nos dois rimos e trocamos olhares, de repente as luzes começam a piscar.
─ o que está acontecendo? ─ disse eu assustada.
─ por isso que eu não gosto de elevador. ─ Zac reclamou.
O elevador começou a balançar e parou de funcionar.
─ ué? ─ fiz eu.
─ deve ter estragado.
─ ah não eu não posso ficar trancada aqui, eu não consigo viver enjaulada feito um passarinho, eu sou uma mulher liberta, ninguém pode me trancar, eu não sou uma fugitiva da policia Alguém FAZ ALGUMA COISA! ─ disse eu desesperada para sair dali.
─ calma senhorita Hudgens, calma ─ eu me desesperei mais ainda e ele gritou, segurando nos meus braços. ─ CALMA VANESSA!!! ─ fiquei quieta na hora, aquela voz doce de repente mudou para uma voz mais autoritária. ─ já vão arrumar. Nós não vamos morrer aqui.
─ Deus te ouça. ─ disse eu me sentando no chão do elevador, ele a olhou e se sentou também.
─ bom, enquanto ninguém arruma essa coisa, podemos conversar...
─ é...
─ você está melhor? ─ perguntou ele.
─ sobre o que?
─ bom ontem na praia você parecia cabisbaixa.
─ não se preocupe, é saudade.
─ do seu namorado? ─ ele ficou atencioso esperando uma resposta.
─ que namorado? Não! Saudade de meus pais, da minha família, da minha irmã...
─ ah sim...
─ difícil ficar longe da família não é? ─ ele ficou pensativo...
─ e você?
─ eu?
─ sim, sua família onde está?
─ bom, minha família mora no Brasil mais quase nem ligam para mim.
─ hum... ─ eu quis mudar de assunto repentinamente ─ e você tem namorada?
─ eu? Por que a pergunta?
─ não sei...
─ bom, era isso que eu queria falar com você...
─ é mesmo?
─ sim! É que... ─ quando ele iria me falar alguma coisa o elevador começou a funcionar e abriu a porta no décimo terceiro andar.
─ Bom, deixa para depois... ─ disse ele saindo do elevador.

Eu fiquei lá pensando no que ele queria me falar, ele parecia preocupado, com uma expressão séria. Pena que esse elevador abriu bem na hora, ele podia me dizer alguma coisa sobre nós, bom acho que estou pensando muito alto, nunca que um gato desses iria se apaixonar por mim aff ¬¬ às vezes eu queria confiar mais em mim. Eu sou muito medrosa, não tenho coragem de falar o que eu sinto, deve ser por isso que estou entrando em depressão durante esses dias, talvez deva aceitar a proposta da Stella, e ir para Londres. Pelo o que ela disse, lá é muito bom, de se viver, morar e trabalhar e cai entre nós... o que está me segurando aqui?
Talvez um rapaz, um rapaz que com só o seu sorriso... Inspira minha vida, seu olhar que... Alimenta minha alma, quando estou perto dele... Sinto-me completa, sua voz... Ajuda-me a viver. Um rapaz que talvez não sinta a mesma coisa que eu sinto por ele, mais que com certeza eu quero algo mais que amizade.

(Narradora)

Vanessa saiu do elevador e foi para sua sala, ali passou o dia inteiro sentada naquela poltrona pensando no que iria fazer de sua vida, se ela viajava ou não para Londres. Se ela contava isso ou não para Ashley. As horas foram se passando e logo já era hora de ir embora, Ashley entrou em sua sala e disse...
─ Vane, vamos?
─ para onde?
─ para casa oras...
─ ah sim, tinha perdido a noção do tempo. ─ Ashley sorriu desconfiada.
─ uhum sei...
─ Acho que temos que conversar amiga... ─ disse Vanessa saindo da sala com ela.
─ sobre o que?
─ depois te conto... Vamos para um lugar melhor.
─ Onde? ─ entrando no elevador.
─ minha casa, sei que lá estaremos segura.
─ ok.

As duas forma para a residência Hudgens, depois que saíram do carro na frente da casa de Vanessa, se depararam com Drake sentado no sofá da sala com os pés em cima da mesinha.

─ Hey! ─ gritou Vanessa chamando a atenção.
─ ah vocês. ─ disse ele se levantando.
─ o que faz aqui? ─ perguntou Ashley.
─ nada que te interesse loira aguada.
─ seu filho da m** ─ Ela avançou para cima dele mais Vanessa a segurou.
─ Calma amiga... ─ cruzei os braços e perguntei ─ o que faz aqui?
─ eu moro aqui! ─ respondeu ele.
─ mentira, você mora na casa de empregados... ─ falou Vanessa.
─ que por acaso não é na casa principal. ─ acrescentou Ashley ironicamente.
─ não se mete loira de farmácia.
─ Cala a boca!
─ Vamos Ashley! Temos que conversar deixa esse imbecil aí.

Vanessa a puxou pela mão, subindo as escadas.
─ Não sei como você teve coragem de ficar com esse cara.
─ Pois é também não sei...
Drake gritou lá de baixo, na sala ─ eu escutei tá!
Ashley gritou lá de cima ─ que se dane!

Depois daquele transtorno todo, Vanessa e Ashley entraram no quarto, enquanto Ashley sentava com as pernas entrelaçadas em cima da cama Vanessa trancava a porta.

─ o que é que você queria me contar? ─ perguntou a amiga preocupada.
─ Ashley, estou pensando seriamente em se mudar.
─ para cá? Mais sozinha e ainda com esse idiota aí em baixo para te atormentar... Tem certeza? ─ Ashley a aconselhou antes que a garota pudesse terminar a frase.
─ Não Ashley! Não vou se mudar para essa casa. Vou me mudar para Londres!
─ O quê?? ─ Ashley ficou surpresa com aquela decisão.

(Continua?)

Cheguei ao apartamento e Demi estava na cozinha prestes a morrer. Agora me pergunte como? Não ela não estava com uma faca na cabeça ameaçando se matar. Pelo contrario a culpada de tudo isso era a Ashley. Por quê? Porque tinha acabado de preparar o bendito ovo que de manha não tinha dado tempo de comer.

─ Não! Não Faça isso! ─ gritei da sala correndo para a cozinha desesperada, Ashley e Demi olharam para mim confusas sem saber o porquê daquilo. ─ Não coma Demi!.
─ mais por quê? ─ disse Ashley com a frigideira e a espátula na mão.
─ vai saber o que tem nesse simples ovo. ─ Demi olhou para o ovo com medo arregalando os olhos ela disse:
─ é mesmo, ela pode ter colocado açúcar em vez de sal...
─ Aff Será que é tão difícil assim de aceitar que agora eu mando bem na cozinha? ─ disse Ashley já brava com a situação.
─ será?
─ como Será Vanessa? Eu disse que fiz aulas de culinária.
─ calma Ashley eu estou brincando...
─ hum... ─ Ashley fechou a cara e cruzou os braços.
─ para provar eu e a Demi vamos ter a coragem de experimentar seu ovo.
─ Pardon????? ─ disse a menina surpresa e com medo do que iria fazer aquele momento.
─ Isso Demetria, Vamos provar que não temos medo da comida da Ashley!
─ ah essa eu quero ver de camarote. ─ Ashley pegou um pacote de pipocas doce no armário e se, sentou á mesa com os olhos arregalados prestando atenção às duas meninas corajosas.
Eu olhei para Demi com uma cara de pidonha e resmunguei ─ Vamos? Se não ela vai ficar enchendo, o saco, e hoje é um simples ovo vai saber o que essa menina pode inventar amanha...
─ ah mais com essas amigas que eu tenho não preciso de inimigas mais... ─ disse Ashley falando sozinha.
─ Está bem! Mais se eu sofrer de infecção na garganta a culpa foi do ovo da Ashley que ficou entalado.
─ não disse ¬¬ ─ Ashley voltou a falar sozinha.
─ então tá! Vamos lá... ─ me sentei a mesa ao lado de Demi e nós duas olhamos para o ovo.
─ Vamos Gente! Anda logo! ─ disse Ashley apressando as coisas, eu e Demi pegamos o ovo frito com o talher e começamos a mastigar.
─ então? ─ disse a menina na expectativa.
Nossa boca se mexia lentamente, e estávamos com uma cara horrível de quem não estava gostando do que estava comendo, deixando Ashley nervosa.
─ Falem de uma vez!
─ calma precisamos saborear esse troço primeiro ─ disse Demi de boca cheia...
─ Esse coisa tem gosto de...
─ De O que Vanessa??? Diz!!!!
Engolimos o ovo a seco.
─ De ovo Oras!
─ uiii... isso é ...─ começou Demi a explicar o sabor, mais eu a cutuquei para que ela se calasse. Ficamos caladas por alguns segundos fazendo um suspense, o que deixava Ashley mais nervosa ainda.
─ FALEM DE UMA VEZ!!!!!! ─ disse a menina jogando a pipoca para o auto.
─ Isso é um delicia! ─ falamos nós duas juntas sorrindo, Ashley se apoiou na mesa com as duas mãos empurrando com o bumbum a cadeira, tal como com força que a cadeira bate no armário à 2 metros atrás dela.
─ AAAAAAAA!!! ─ a menina começou a comemorar, pois era o único prato comestível que ela realmente conseguira acertar, no sal e no ponto, estando realmente perfeito, sem queimar dos lados e a gema amarelinha não estando muito mole e nem muito dura realmente um ovo digno de ganhar o Oscar.
─ Parabéns amor! ─ disse eu indo abraçar ela.
─ Félicitations fleur de ma vie!!! ─ Demi a abraçou também.
─ Obrigada... ─ abaixou seu tom de voz e disse ─ seja lá o que você falou... ─ Nós Três rimos e continuamos conversando ali na mesa.

(Narradora)

No Outro dia na empresa, Zac estava chegando para seu dia de trabalho. Laryssa que estava no balcão da recepção acenou para ele que seguia em direção da escada.

(Zac)

A retribuí com o mesmo gesto e continuei o meu caminho, quando chego lá percebo que a porta que dava acesso a escada estava trancada e com uma plaquinha vermelha na frente escrito: Fechada para manutenção!
Então voltei para o balcão onde estava Laryssa e perguntei.

(Narradora)

─ o que ouve?
─ está em manutenção.
─ manutenção? Numa escada? O que esse povo vai mais inventar? ─ Laryssa sorriu olhando fixamente em seus olhos.
─ o jeito é ir de elevador mesmo. ─ Laryssa segurou o suspiro ao Maximo e quando ele se virou em direção dos elevadores, a menina deu um suspiro longo e apaixonado.

(Zac)

Eu já percebi sim que ela está gostando de mim, tenho que dar um ponto final nisso, pois nossa relação é extremamente profissional, nada mais. E sem falar que tem a Vanessa, ela é incrível, não tinha percebido o quanto ela é linda naquela primeira noite onde nos conhecemos. Seus cabelos negros caídos levemente sobre os ombros, olhos incríveis que brilha intensamente a todo o segundo e um sorriso que contagia qualquer um, não sei o que faço se digo o que eu sinto para ela ou não? Na verdade acho que não irá fazer a menor diferença, pois, ela está apaixonada por aquele astro do rock.

(Narradora)

Zac entrou no elevador pensativo e apertou no botão do décimo terceiro andar e quando o elevador estava para sair, com a porta quase fechando Vanessa grita de longe.

─ Não espera, espera!!! ─ disse ela correndo, então Zac segurou a porta para que não se fechasse e ela entrou no ultimo segundo, assim que ela entrou o elevador se fechou.

Continua?

Depois de um pedaçinho de pudim, eu peguei meu pote de biscoitos e sai da cozinha, subi para o meu quarto e fiquei lá pensando por um bom tempo, meu celular tocou e era a Ashley.

─ Oi amiga?
─ Oi! To preocupada, já são 22 horas da noite e você não apareceu. Onde você está?
─ em casa!
─ em casa?
─ sim! Residência dos Hudgens conhece?
─ aff...
─ não se preocupe não eu já estou indo embora, só vim aqui da uma passadinha pra ver como estão as coisas. ─ fiquei triste de repente ─ sinto saudades desse lugar.
─ Own amiga não fique assim não.
─ tudo bem, eu vou superar.
─ faça isso!
─ tchau, já já chego aí.
─ ok... te amo...

Desliguei o celular, peguei minha bolsa em cima da cômoda e quando me virei para ir embora Drake estava
Se apoiando na lateral da porta com um sorriso um tanto estranho no rosto.

─ Oi...
─ Drake me da licença? Preciso ir embora. ─ disse se dirigindo a porta mais ele entrou na minha frente trancando o caminho.
─ mais você está em casa...
─ Você sabe que eu não estou morando aqui. Agora me da licença? ─ disse eu tentando ir pelo outro lado mais ele ia junto.
─ o que é uma pena. ─ parei de tentar fugir e olhei fundo nos olhos dele.
─ me diz o que você quer! ─ ele me pegou forte nos braços.
─ Você de volta. ─ eu ri ironicamente e disse.
─ você está brincando não é?
─ não. ─ disse ele, não parecia estar brincando mesmo, não estava mais rindo na verdade estava serio... Muito serio.
─ e você acha que eu irei voltar com você por quê? ─ ele balançou a cabeça de um lado para o outro impaciente.
─ oras por que comigo você se sente segura, por que eu sei que você gosta de mim não precisa mais fingir Vanessa...
Eu o interrompi na hora ─ Para, para... Para! Você está falando coisas que eu não sentia com você, Não coloque palavras na minha boca! ─ ele ficou calado e me deixou falar. ─ eu nunca me senti segura com você, eu confesso que gostei de você sim... Mais você já ouviu dizer que o amor é cego? Pois é eu também era, mais abri meus olhos e agora você não vai mais me fazer de brinquedinho de cachorro.
─ mentira...
─ mentira? Agora você sabe mais o que eu sinto do que eu mesma?
─ me diz que você não foi feliz comigo?
─ Drake eu não fui feliz com você! ─ disse isso bem pausadamente para que ele entendesse de uma vez por todas que não tinha mais volta. ─ a época que namorávamos foi à pior época da minha vida, você no começo se fez de gentil, romântico e bonzinho mais depois... O lobo tirou a roupa de cordeiro, você se mostrou duas caras... literalmente.
─ eu não fiz por mal!
─ você me magoou muito...
─ me desculpa... Você sabe que eu te amo. Por favor, não faz isso comigo, não me deixa... ─ ele implorava para que eu voltasse com ele, mais não dava... Eu não consigo fingir que gosto de alguém sendo que não gosto...
─ Para com isso Drake! Não se faça de besta. Estou mandando você ir embora, não fique se jogando aos meus pés... agora me deixa ir embora?!─ ele saiu da minha frente eu saí do quarto enquanto ele ficou lá com os olhos lacrimejando.

Desci as escadas correndo e entrei no meu carro que já estava estacionado na frente da minha casa, esse foi um dia estressante, alem de eu estar triste por causa da morte de meus pais, não saber o que fazer com a empresa ainda tenho que agüentar o s lamentos do meu ex. aff... Mais confesso que fiquei com pena dele, eu acho que ele realmente gosta de mim, até demais, só que o ciúme dele não é normal, é doentio.

(Continua?)




PS- NÃO ESQUEÇAM!!!!!!


Se o seu blog ainda não está na lista de blogs interessantes Divulgue o seu aqi nos comentarios!!!!!!!!!!

PESSOAL ESTOU COM UMAS IDEIAS NA CABEÇA!!!

irei fazer uma lista de blogs de fan fics para o pessoal visitar, tipo um top afiliados em um site mais aqui é no blog mesmo rsr... caso alguem queira divulgar seu blog aqui, deixe o link aí nos comentarios! estarei colocando ali na barra lateral onde estara todos os blogs que eu gosto de seguir! ...


Bjinhos... e deixem seus blogs aí!



Ps- Alguns Blogs que euu gosto de ler já estão adicionados... se o seu ainda não está? Não perca tempo e poste o link de seu blog aqui!

Estava a caminho do apartamento de Ashley quando resolvi dar uma passadinha em casa para ver como estava tudo. Cheguei na mansão Hudgens e os seguranças abriram o portão para eu entrar, o manobrista guardou o carro na garagem enquanto eu entrei em casa. È muito difícil para mim olhar para tudo isso agora, tenho muitas saudades de meus pais, nós 4 na piscina em um dia de domingo, assistindo TV de noite, reunidos para o café da manha da segunda. Eu não sabia o quanto uma família faz falta. Subi para o meu quarto e vi todas as minhas coisas ali abandonadas, sim porque eu não mexer mais nelas é por que estão abandonadas. Um vento forte passou por aquele ambiente fazendo a cortina de pano branco e seda lilás se abrir e um porta retrato da minha família cair no chão. Peguei o porta retrato na minha mão e uma lagrima caiu em cima da foto mais especificamente no rosto da Stella. Meu celular tocou na hora, então enxuguei minhas lagrimas e atendi ao telefone.

─ Olá.
─ Vanessa, Oi maninha!
─ STELLA!!!!!!!!!─ gritei de susto. ─ menina você apareceu!! Que bom que está viva...
Stella a interrompe ─ claro que eu estou viva!
─ ah me desculpa é que eu estou me sentindo muito sozinha.
─ Mais você tem muitos amigos aí, a Ashley, o Joe...
─ a Ashley é minha melhor amiga, o Joe também mais, sinto falta de alguém da família por perto.
─ por que não vem para Londres?
─ a não sei. ─ fiquei pensativa.
─ e a empresa?
─ Vai bem, eu e a Ashley estamos cuidando dela.
─ vocês podem cuidar aqui em Londres. Ontem estive na sede daqui e é muito boa.
─ a mais...
─ você não quer uma família por perto?
─ sim, mais...
─ então vem!
─ vou...
─ Isso! Vem! Também estou com saudades de você maninha.
─ VOU PENSAR!
─ a que saco. ¬¬
─ Stella, depois te ligo! Beijo amor.

Desliguei o celular e desci para a cozinha comer alguma coisa.

─ Oi Gente! Que saudades de vocês!
─ a essa casa fica tão vazia sem você aqui senhorita Hudgens.─ disse a dona Maria, cozinheira da casa vindo me abraçar.
─ também acho isso aqui está morto. ─ olhei para o meu lado direito. ─ Oi dona Joana, e sua filha onde está?
─ Oi Baby V! A Faby está em casa, morrendo de saudades de você.
─ Pois é também estou com muitas saudades dela. ─ peguei um pote de biscoitos dentro do armário e comecei a comer. ─ e o que tem para comer?
─ fiz um pudim de leite que está uma delicia quer?─ perguntou dona Maria.
─ Claro, tenho muita saudade das suas delicias tia Maria. ─ ela sorriu e foi buscar o pudim quando um rapaz entra na cozinha.
─ Oi. ─ disse ele para sua mãe, a dona Joana. Eu olhei para ele timidamente mais logo abaixei o rosto pois não queria que ele me reconhecesse afinal era o meu ex namorado. Sim, eu namorei o filho da cozinheira idai? Ele é lindo, cabelos castanhos, olhos pretos, e muito gentil mais nosso namoro não deu certo devido ao ciúme incontrolável da parte dele.
─ O filho, está com fome? Acabei de fazer um bolo de chocolate e a dona Maria ta trazendo o pudim para a Vanessa.
─ Vanessa? Qual Vanessa? ─ perguntou ele sem se lembrar de mim ¬¬.
─ Eu! ─ ele rapidamente virou o rosto olhando para mim e disse.
─ Oi, nem te vi aí! ─ O.O idiota!
─ como não? Sou invisível?
─ Não, Não foi isso que eu quis dizer... ─ disse ele tentando se explicar quando eu o interrompi.
─ Tudo Bem Drake!





Ficamos nos encarando, ele me olhava com um olhar esquisito, não parecia que já tinha me esquecido na verdade ele estava com uma cara de quem queria conversar sobre o assunto. Bom, seja como for... Eu não quero voltar com ele. Ele só fazia “me controlar”, como se eu fosse uma bonequinha de marionete, e duvidava das minhas atitudes, e não confiava em mim eu não podia olhar para ninguém que ele já estava em cima perguntando: Quem é? Como você o conheceu? Como é o nome dele? Aff ¬¬. Fiquei calada e voltei a comer meus biscoitos normalmente.

─ Estranho ver você aqui Vanessa.
─ Por quê? É minha casa não? ─ garoto sem noção, olhei para ele com uma cara de deboche e mordi um biscoito.
─ é que... Você agora só fica no apartamento da loira aguada.
─ Olha como fala da minha amiga! ─ levantei a voz e apontei o dedo indicador no seu rosto.
─ calma... Baby V. ─ me sentei na cadeira novamente com um ar de quem não estava suportando ficar ao lado daquela pessoa
─ Bom! A dona Maria ta demorando demais, deixa pra outro dia! ─ disse eu se levantando da mesa, andei em direção a porta com o pote de biscoitos na mão quando dona Maria volta e...
─ Espera menina Vanessa? Não vai comer o pudim... Fiz com tanto carinho. ─ disse ela pondo o pudim em cima da mesa, estava com uma cara ótima e parecia delicioso.
─ deixa pra depois dona Maria? ─ disse eu resmungando.
─ mais eu to pedindo... Fica! ─ ela implorou mais um pouquinho, e eu aceitei.
─ então esta bem! Eu como, mais só um pedaçinho.
Ela sorriu ─ a que bom!
─ apesar da companhia... Eu fico. ¬¬ ─ me referindo a Drake, ele fingiu que não era com ele e continuou a comer bolo, aff garotos são idiotas! ¬¬ .



Continua?

(gente antes de começar o capitulo quero avisar que agora os comentarios ficam aíi ^^^^ em cima não lá em baixo! :) Mudei o layout, gostaram?? tipo só num to conseguindo por foto ali em cima então se alguem souber me ajudar please?! eu agradeço! rsr quem quizer meu msn é esse aqui tá! mary_zanessa@hotmail.com ... )

agora vamos para o capitulo!

CAPITULO DOZE!!!


(Narradora)

Zac e Vanessa andavam pela areia da praia, os dois sorriam e trocava muitos olhares, Vanessa de vestido branco com os cabelos soltos ao vento, segurando seus sapatos na mão. Zac de boné vermelho, camiseta branca e uma bermuda com chinelos no pé. O boné e os chinelos, Zac pegou em seu armário na TAH.








(Vanessa)

Não tinha ninguém na praia como Zac disse, ali era um lugar afastado, pouco desconhecido pelo pessoal que gosta de curtir um dia de sol na praia. Toda vez que eu olhava para Zac ele estava olhando para o chão, então desvirei o olhar não queria que ele percebesse que eu estava olhando muito para ele.

(Zac)

Eu tentava não admirar muito seu rosto então olhava mais para a areia, os pés dela são os mais bonitos que eu já tinha visto e quando a onda molhou nossos pés eu olhei para ela mais ela estava a olhar o mar.

(Vanessa)

O mar estava calmo e bem azul, como os olhos dele, olhos mais lindos do mundo onde sem querer às vezes nos perdemos diante daquela imensidão azul. Então parei ali, me sentei na areia.

─ vai ficar ai? ─ perguntou ele apontando o dedo positivo para onde eu estava.
─ sim, não quer olhar o mar comigo?
─ claro! ─ ele se sentou do meu lado.
─ sabe, às vezes é bom sentar se na praia e escutar o mar. ─ passou um vento forte sobre nós e eu suspirei
─ você está bem?
─ sim! ─ olhei para o lado e vi um graveto, peguei esse graveto e comecei a desenhar na areia uns coraçãozinhos.

(Zac)

─ está apaixonada?
─ não sei, mais acho que estou gostando de alguém ─ respondeu ela cabisbaixa. ─ mais por que a pergunta?
─ sei lá. ─ aquilo me afetou, sei que não tenho demonstrado que gosto dela mais saber que ela esta apaixonada é como se me apunhalassem com uma faca.
─ é por aquele cara? Joe Jonas?─ não quis olhar para ela então tentei desviar o olhar olhando para os passarinhos que estavam a voar no céu.
─ por que você acha que é ele?
─ por que ele é um astro do rock, o sonho para qualquer moça, bonito, charmoso e não tem namorada e ainda te conhece o que já é um grande passo pois, conhecer uma pessoa famosa é difícil.
─ hum... ─ ela não me respondeu nada, e quando iria falar alguma coisa seu celular tocou.

(Vanessa)

Eu peguei o celular e atendi.

─ Oi Ashley?
─ Onde você ta? ─ perguntou ela.
─ por ai.
─ nossa que ouve? Ta triste?
─ depois te conto. Estou indo embora já onde você está?
─ eu estou na sorveteria com a Demi, vem pra cá?
─ Não! Melhor eu ir embora mesmo. ─ disse eu olhando para Zac.
─ ok.

Desliguei o celular e me levantei sacudindo a areia do meu vestido.

─ bom, eu vou indo! Bom final de semana. ─ ele se levantou também.
─ pra você também. ─ me despedi dele com dois beijinhos e fui pegar meu carro na TAH enquanto ele ficou ali na praia olhando o mar por mais um bom tempo.

(Continua)